Sob Bolsonaro, exportações despencam, e país fecha janeiro com déficit de US$ 11,9 bi nas contas externas

21/02/2020 0 Por Redação Urbs Magna

Resultado foi pior do que o registrado em igual mês de 2019, quando rombo foi de US$ 9 bi


As contas externas brasileiras registraram em janeiro de 2020 um déficit de US$11,9 bilhões, informou nesta segunda-feira o Banco Central ( BC ). O resultado foi pior do que o apresentado no mesmo mês de 2019, quando o déficit foi de US$ 9 bilhões.

O valor também é o pior desde 2015.

Segundo o Banco Central, o resultado foi influenciado principalmente pela retração de US$ 3,6 bilhões no saldo da balança comercial, em comparação com 2019. O saldo é a diferença entre exportações e importações.

Mesmo com o dólar alto, renovando sucessivos recordes, as exportações registraram um resultado de US$ 14,5 bilhões, queda de 19,5% em relação ao mesmo período de 2019.

Nesta quinta-feira, o dólar passou dos R$ 4,40 pela primeira vez na História. Em tese, o real desvalorizado beneficia os exportadores, pois os produtos ficam mais baratos para quem compra no exterior.

Já as importações aumentaram 0,6% para US$ 17,1 bilhões. O resultado final foi de déficit de US$ 2,6 bilhões contra superávit de US$ 1 bilhão em 2019.

O déficit em transações correntes acontece quando o volume de dinheiro que sai do Brasil supera o montante que entra no país. A medida considera exportações e importações, os gastos de brasileiros no exterior e as remessas de lucros, juros e dividendos para fora.

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, disse que não é possível projetar o resultado de janeiro para o resto do ano. Segundo ele, a balança comercial ainda não sentiu os efeitos da crise do coronavírus.

– Não temos nenhuma sinalização de resultado negativo por conta do coronavírus. Os efeitos devem aparecer certamente a partir da primeira semana de março. Até agora são operações que já estavam contratadas antes do coronavírus, as mercadorias estavam apenas sendo embarcadas, por isso não teve impacto.

Castro afirmou que o déficit do mês aconteceu por conta da diferença entre exportações e importações de plataforma de petróleo. Em 2020, a balança contabilizou US$ 2,1 bilhões em importações dentro do Repetro, um regime fiscal que suspende a cobrança de impostos federais sobre importações de equipamentos para o setor de petróleo. Já em 2019, o valor foi de US$ 800 milhões.

A balança comercial divulgada no início do mês também ressaltou essa diferença . A importação de duas plataformas de petróleo totalizou US$ 2 bilhões em 2020. Já em 2019, as exportações na mesma categoria renderam US$ 1,3 bilhão.

Provável queda da demanda chinesa

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, disse que não tem informações para verificar se houve efeito do coronavírus nas exportações. Rocha ressaltou que houve uma desaceleração ao longo do mês e citou uma ampliação do feriado do ano novo chinês.

– A gente não tem ainda informações para comprovar ou refutar essa hipótese. Quando a gente olha as estatística semanais de exportações vimos em janeiro desaceleração da exportação semana a semana, isso não dá pra dizer que já é alguma coisa de coronavírus, mas na China você teve uma ampliação do feriado do ano lunar. Então é provável que tenha tido uma diminuição da demanda chinesa, mas não se tem nenhuma informação mais precisa – disse.

Segundo o BC, o déficit foi parcialmente compensado pelas reduções nas despesas líquidas de renda primária (lucros e dividendos do Brasil para o exterior, salários, pagamento de juros) e de serviços, nos valores de US$ 506 milhões e US$ 182 milhões, respectivamente.

O resultado no período de 12 meses terminado em janeiro é de um déficit de US$ 52,3 bilhões contra US$ 49,5 bilhões em 2019.

Investimentos diretos

O investimento direto no país foi de US$ 5,6 bilhões no mês. O número representa uma pequena queda quando comparado com o resultado de janeiro de 2019, quando o investimento foi de US$ 5,8 bilhões.

No período de doze meses, o investimento direto foi de US$ 78,4 bilhões, correspondendo a 4,26% do PIB. No mesmo período no ano passado, o resultado foi de US$ 78,6 bilhões, ou 4,27% do PIB.  Com esse resultado, o investimento direto não é suficiente para cobrir o déficit nas contas externas.

Fernando Rocha explicou que investimentos diretos no país são fluxos de recursos mais estáveis, como um financiamento do aumento na capacidade produtiva e por isso é uma boa maneira de compensar o déficit nas transações correntes.

– O déficit significa que demanda mais bens e serviços do exterior e que essa maior demanda precisa ser complementada por ingressos em outras fontes, a maior dessas fontes é o investimento direto no país – disse.

O BC estima que para fevereiro os investimentos diretos fiquem ao redor de US$ 6,1 bilhões.

Viagens

Os brasileiros gastaram US$ 1,4 bilhão em viagens no exterior enquanto os estrangeiros gastaram US$ 582 milhões no Brasil. Esse déficit de US$ 857 milhões é o menor para meses de janeiro desde 2016. Em comparação com 2019, os dois índices diminuíram, os brasileiros gastaram US$ 1,7 bilhão e os estrangeiros US$ 700 milhões.

Segundo Rocha, o resultado teve um impacto esperado da desvalorização do dólar. Comparando as médias do dólar em janeiro de 2019 e janeiro de 2020, a desvalorização foi de 10,9%.

– A desvalorização cambial torna os gastos dos turistas brasileiros no exterior maiores para quem ganha em reais e com isso há uma tendência de redução nas despesas e redução nas contas como um todo – afirmou.

Em 2019, as contas externas fecharam com um rombo de US$ 50,8 bilhões , o pior resultado desde 2015. O mês de dezembro de 2019 também fechou com déficit, mas de US$ 5,7 bilhões.

O Globo

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.