‘Seu Jair’ vira a página 2019 com novos desertores do bolsonarismo, após Toffoli se consolidar como anti-Moro

29/12/2019 1 Por Redação Urbs Magna
‘Seu Jair’ vira a página 2019 com novos desertores do bolsonarismo, após Toffoli se consolidar como anti-Moro

Juiz de garantias’, sancionado por Bolsonaro, consolida a cisão entre bolsonaristas e lavajatistas e confirma Dias Toffoli, presidente do STF, como fiador da medida


JAIR BOLSONARO tem seguidores fiéis que ainda acreditam no discurso de combate à corrupção durante a campanha eleitoral de 2018. Sergio Moro conta com os lavajatistas ainda em transe com a figura de herói nacional produzida pela rede Globo, quando desempenhou seu papel de juiz da Operação conjunta com a Polícia Federal.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
Telegram
Receba nossas Newslleters
gratuitamente. Acesse e siga
NOSSO CANAL
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e
Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes
melhor que o WHATSAPP
Acompanhe as publicações do
ET URBS MAGNA no FACEBOOK
(CURTA AQUI)
Utilize o espaço abaixo que reservamos
para você fazer comentários. Role a página
e comente sobre este assunto.
Os comentários não representam a opinião
do ET URBS MAGNA. A responsabilidade
é do autor da mensagem.




Lavajatistas e Bolsonaristas caem na porrada nas redes sociais. Os primeiros falam de uma traição (#BolsonaroTraidor), ao adotar uma medida identificada com a esquerda, de autoria do deputado federal Marcelo Freixo, do PSOL-RJ.

E os Bolsonaristas os confrontam com uma argumentação de que eles, os lavajatistas, é que são esquerdistas disfarçados, ante as críticas sucessivas ao presidente.

Mas sabemos que a motivação do presidente é pessoal, pois a medida beneficiaria o senador Flávio Bolsonaro, no caso das “rachadinhas”, com a implantação de um juiz de garantias substituindo o atual magistrado linha-dura que conduz o caso.

Aí Toffoli diz ao Estadão que o juiz de garantias só passaria a vigorar nos processos futuros, não nos que já estão abertos, ou seja, Flávio Bolsonaro não seria beneficiado. Foi ele quem deu o “aval” para Bolsonaro sancionar a medida, em vez de vetá-la, como queria Moro.

“Isso aumenta a dúvida em torno da motivação de Bolsonaro em aprovar uma medida que contraria a parcela dos seus apoiadores que gostariam que a atuação de Moro na Lava Jato se replicasse em outros tribunais Brasil afora, com juízes fortes, poderosos e implacáveis, atuando do começo ao fim nas ações penais”, escreveu o jornalista Diogo Schelp no UOL lançando as seguinte indagação:

  • Foi Toffoli quem “garantiu” a Bolsonaro que o juiz de garantias poderia ser criado?

Sabemos que foi Toffoli que atuou para barrar a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, outra das bandeiras de Moro e dos lavajatistas, com seu voto decisivo que permitiu a libertação de Lula.

Assim, o presidente da República, Jair Bolsonaro, vira a página 2019 acumulando ainda mais desertores do Bolsonarismo.

Anúncios