Questão climática colocará o mundo inteiro contra Bolsonaro

Movimentos pela proteção da Amazônia deverão ganhar dimensão inédita nos próximos meses, alimentada pela insistência do presidente brasileiro em avançar com o desmonte da política ambiental

Enquanto a campanha pelo impeachment deve perder fôlego com o aproximar das eleições, a campanha internacional pela proteção da Amazônia deve ganhar uma dimensão inédita nos próximos meses, alimentada pela insistência do governo Bolsonaro em avançar com o desmonte da política ambiental, por fenômenos como as queimadas, e a eventos diplomáticos como a COP26, aponta o pesquisador Mathias Alencastro, na Folha.

Na semana passada, o editorial do Financial Times exigiu uma punição aos crimes ambientais perpetuados pelo seu governo, e o ducentenário The Guardian alertou para uma mudança de paradigma na dinâmica das emissões de carbono da floresta amazônica.

Estimulada pelo trauma das enchentes na Bélgica e na Alemanha, a União Europeia vai acentuar a pressão contra o governo brasileiro, e a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil está formalizando uma nova denúncia contra Bolsonaro em Haia.

Bolsonaro tem o mérito involuntário de, por meio de sua atitude criminosa, colocar o meio ambiente no centro das relações internacionais brasileiras.

Em plena revolução climática, talvez tenha chegado a hora de apostar ainda mais na internacionalização da luta contra o seu governo.

A sua destituição deve ser sempre exigida.


Siga no Telegram

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.