Prisão de Paulo Galo é “recado a todos que ousarem desafiar o poder e seus símbolos”, diz filósofo

29/07/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Prisão de Paulo Galo é “recado a todos que ousarem desafiar o poder e seus símbolos”, diz filósofo

Aos defensores da memória de Borba Gato: há um homem preso ilegalmente por supostamente tentar botar fogo em algo que não pega fogo e isso deveria ser suficiente para despertar o terror no coração dos liberais“, escreve Silvio Luiz Almeida


Por SILVIO LUIZ ALMEIDA
em seu perfil no Twitter

“A absurda e ilegal prisão do Paulo Galo é apenas mais uma das expressões de uma sociedade autoritária em que uma estátua vale mais do que a vida humana, algo que já venho dizendo desde o ano passado. Este caso merece toda a nossa atenção e mobilização porque o que acontecer servirá de exemplo para que outras prisões do tipo sejam realizadas.

A vida de pessoas como o Paulo Galo sempre servem como campo de testes para projetos autoritários. Afinal, se alguém com a liderança e visibilidade dele pode ser pego por algo que nem cabe prisão imaginem o que poderia ser feito com alguém com menos articulação?

Por isso, nossa atenção total, mesmo para aqueles que não conhecem o Galo ou que discordam da ação realizada.

Ele não está preso por causa da estátua. Está preso pelo que significa a luta dele neste momento de avanço da precarização do trabalho; está preso para mandar um recado a todos que ousarem desafiar o poder e seus símbolos.

Há tempos venho falando com diversas pessoas fora do Twitter – que é onde as coisas realmente acontecem – que é preciso pensar em como cuidar de pessoas como o Galo, tão importantes para nós e que tem um papel central para a construção do nosso pais.

O Galo está muito bem assistido juridicamente, tem advogados experientes e que sabem o que precisa ser feito. Posto isso, insisto: precisamos pensar seriamente em como oferecer proteção para nossas lideranças que não se resumam a solidariedade e falatório de rede social depois que o fato ocorreu.

A solidariedade é algo cuja oferta muitas vezes se oferece antes e em silêncio para não colocar a vida de pessoas em risco.

Aos defensores da memória de Borba Gato: há um homem preso ilegalmente por supostamente tentar botar fogo em algo que não pega fogo e isso deveria ser suficiente para despertar o terror no coração dos liberais.

Temos todos nós o dever de clamar pela liberdade do Galo e, para quem que pode, dar apoio concreto a ele e sua família. E aos colegas juristas: serão bem-vindos pareceres e artigos que demonstrem tecnicamente não apenas o absurdo de se prender alguém com tal motivação, mas que responsabilizem o Estado pela MANUTENÇÃO acrítica e sem a devida contextualização histórica de monumentos que homenageiem torturadores e assassinos de negros e indígenas, cuja função é legitimar a posição de quem odeia o povo brasileiro”.

*Silvio Luiz de Almeida é um advogado, filósofo e professor universitário. É autor dos livros Racismo Estrutural, Sartre: Direito e Política e O Direito no Jovem Lukács: A Filosofia do Direito em História e Consciência. Também preside o Instituto Luiz Gama. 

“Paulo ‘Galo’ se apresentou espontaneamente à polícia para falar de sua participação na tentativa de incêndio da estátua de Borba Gato. Resultado: foi preso. A mulher dele, que não estava no local, também foi detida’, escreveu a colunista da Folha de S. Paulo, Mônica Bergamo, em seu perfil na mesma rede social. Veja a seguir:

Comente