‘O ódio dói no bolso’, diz antropóloga sobre decisão que lembra Sara Winter de pagar R$ 16 mil devidos

A antropóloga, professora universitária, pesquisadora, ensaísta, e documentarista Débora Diniz e a ex-ativista antidemocrata bolsonarista Sara Giromini, em imagem reprodução | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Juiz dá 15 dias para a ex-bolsonarista antidemocrata desembolsar o valor para cobertura de danos morais causados a Débora Diniz

O juiz Arthur Lachter, da 19ª Vara Cível de Brasília, lembrou a Sara Giromini, a Winter, que ela ainda deve pagar a dívida por danos morais, em caso perdido na Justiça, para a antropóloga Débora Diniz.

O magistrado deu o prazo de 15 dias para que a ex-ativista bolsonarista, que liderou um grupo antidemocrático, desembolse a importância de R$ 15.903,04 pela condenação imposta em abril de 2021, informa o jornalista Nelson Lima Neto, na coluna de Ancelmo Gois, no jornal O Globo.

Na ocasião, Giromini fez acusações contra a antropóloga no caso da menina de 10 anos submetida a um aborto assistido pelo SUS e compartilhou em suas redes sociais dados da menor, assim como do médico responsável pelo caso.

Depois, ao ser questionada pela antropóloga, Giromini disse que ela era “maior abortista brasileira” e incitou a prática da tortura.

No Twitter, a professora postou a matéria do colunista e informou: “A antropóloga da notícia sou eu“.

Que ela pague para lembrar que o ódio dói no bolso“, disse. Em seguida, a antropóloga postou prints da decisão do juiz e afirmou: “Aqui detalhes do caso contra a odiosa

Veja a seguir:

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.