Não se engane: tendência do Bozo é ladeira abaixo, apesar de levantamento VEJA/FSB mostrando-o à frente das pesquisas

19/10/2019 1 Por Redação Urbs Magna

“O levantamento VEJA/FSB, que mostra Bolsonaro à frente nas pesquisas para uma eleição daqui a três anos, deve ser cotejado com o conjunto de pesquisas que mostram a crescente reprovação a seu governo”, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia


Paulo Moreira Leite, para oJornalistas pela Democracia


Realizada por telefone, três anos antes do primeiro turno da próxima eleição presidencial, o levantamento de VEJA/FSB guarda os traços típicos de um levantamento dessa natureza, onde tendências diferenciadas e até contraditórias se manifestam ao mesmo tempo.

Deixando de lado candidaturas de natureza especulativa — como Sérgio Moro e Luciano Huck –, Jair Bolsonaro aparece em primeiro lugar em todas as simulações, para primeiro e segundo turno. É um desempenho e tanto, vamos admitir. Sua consistência deve ser ponderada, para evitar que uma informação se transforme em instrumento de propaganda.  

As várias pesquisas que medem a aprovação do governo Bolsonaro — item não incluído no levantamento VEJA/FSB — indicam outra coisa. Apenas Fernando Collor, que confiscou aplicações financeiras no primeiro dia de mandato, atingiu uma avaliação pior que Bolsonaro, sendo derrubado por uma imensa mobilização popular dois anos depois. 

Isso quer dizer que, quando atendeu ao telefone para dizer o nome de seu candidato, o eleitor falou um nome.

Mas quando as pesquisas pediram para avaliar seu desempenho, estimulando uma reflexão sobre o governo, o resultado é outro.

Em setembro, um levantamento DataFolha mostrava Bolsonaro com a reprovação em alta. O salto foi de  33% para 38% em dois meses. A aprovação caía quatro pontos de 33% para 29%. O A informação aqui é simples de entender.

A pesquisa VEJA/FSB mostra o voto hoje como se fosse o dia da eleição. A avaliação do governo indica como essa decisão pode evoluir, por longos três anos, até outubro de 2022.

Parece claro que há um imenso terreno a ser trabalhado pelos adversários do governo até lá. A posição de Bolsonaro está longe de ter sido consolidada. 

Como mostra a evolução para baixo da avaliação do governo, a tendência é de queda.

Entre os vários projetos conhecidos do governo, a maioria concentrados na equipe de Paulo Guedes, não se reconhece nenhum capaz de inverter uma posição desfavorável junto à grande maioria da população, às voltas com renda mensal de R$ 413, desemprego recorde e emprego precário. O rumo é ladeira abaixo.

Alguma dúvida?

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.