“Medo da CPI e popularidade em queda faz Bolsonaro apostar no caos”, diz deputado

14/04/2021 0 Por Redação Urbs Magna

Jornalista avalia que o cenário é de tripla derrota para o presidente do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo/24-03-2021

“Com medo da CPI e vendo sua popularidade desabar, Bolsonaro incita a revolta contra o distanciamento, ao mesmo tempo em que faz de tudo para armar a população”, diz o deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ). “Em vez de trabalhar para conter o desastre sanitário, econômico e social em que afundou o país, o presidente aposta no caos”.

Na avaliação do jornalista e escritor Gerson Camarotti, da Globo News, o cenário é de uma “tripla derrota” para Bolsonaro. A primeira foi a criação da CPI que o presidente não conseguiu segurar após ter feito “um movimento para a retirada de assinaturas” e, então “veio a segunda derrota”, quando o presidente foi mal sucedido na intenção de “ampliar muito pra criar uma espécie de confusão, sair do foco, criar uma espécie de medo generalizado, na classe política, com a inclusão de governadores e prefeitos”. O jornalista diz que a “provável terceira derrota” seria a composição da CPI.

“Hoje o presidente não tem uma maioria segura no Senado Federal”, diz Camarotti. “Isso vai se refletir, principalmente, nessa CPI”. Ele diz ainda que “tem sequelas da eleição para a Presidência do Senado, então você tem mais um MDB independente, que o presidente não esperava”. Além disso, para o jornalista há o “movimento real de reconhecimento de que a situação fugiu ao controle (…) de total irresponsabilidade na condução dessa pandemia e isso está se refletindo, principalmente, depois que o Senado Federal já perdeu três senadores vitimados pela Covid”.

De acordo com o site O Antagonista, o bloco formado por MDB, PP e Republicanos vai indicar os senadores Renan Calheiros (MDB), Eduardo Braga (MDB) e Ciro Nogueira (PP). O PSD, que tem direito a duas vagas na comissão, resolveu escolher os senadores Omaz Aziz (PSD) e Otto Alencar (PSD). O bloco formado por PSDB, Podemos e PL decidiu indicar os senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eduardo Girão (Podemos).

Já o bloco que reúne DEM, PL e PSC escolheu os senadores Marcos Rogério (DEM) e Jorginho Mello (PSC). O senador Randolfe Rodrigues (Rede) foi indicado pelo bloco formado por Rede, Cidadania, PDT e PSB e o senador Humberto Costa (PT) é o representante do bloco formado por PT e Pros.

O portal afirma que as indicações ainda precisam ser confirmadas pelas respectivas lideranças partidárias junto à Secretaria-Geral da Mesa do Senado Federal. De acordo com a informação, os titulares da CPI da Covid são Renan Calheiros (MDB), Eduardo Braga (MDB), Ciro Nogueira (PP), Omaz Aziz (PSD), Otto Alencar (PSD), Tasso Jereissati (PSDB), Eduardo Girão (Podemos), Jorge Mello (PSC), Marcos Rogério (DEM), Randolfe Rodrigues (Rede) e Humberto Costa (PT). Já os suplentes tem os nomes de Jader Barbalho (MDB), Marcos do Val (Podemos), Angelo Coronel (PSD), Zequinha Marinho (PSC), Alessandro Vieira (Cidadania) e Rogério Carvalho (PT).

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.