Mais de 200 entidades entregam carta a Fachin dizendo que não são ‘reféns’ de ameaças de Bolsonaro

O ministro Luiz Edson Fachin durante cerimônia de posse como presidente do Tribunal Superior Eleitoral, em 22/2 deste ano / Imagem reprodução | Bolsonaro discursa na Associação Paulista de Supermercados nesta segunda-feira (16/5) / Foto de Rubens Cavallari para o Folhapress | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Siga Urbs Magna no Google Notícias

Coalizão não aceita “chantagens e ameaças de ruptura institucional após pouco mais de três décadas em que a normalidade democrática foi restabelecida em nosso país”, diz texto

Uma coalizão formada por mais de 200 entidades entregaram, na tarde desta segunda-feira (16/5), ao presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Edson Fachin, uma carta repudiando os ataques do presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro (PL), contra a corte e o processo eleitoral.

Agressões, bravatas e afirmações desprovidas de respaldo técnico, científico e moral servem a um único propósito: o de gerar instabilidade institucional, disseminando a desconfiança da população brasileira e do mundo acerca da correção e regularidade das eleições brasileiras”, diz o documento, de acordo com transcrição da jornalista da Folha de S. Paulo, Mônica Bergamo.

Não aceitamos a condição de reféns de chantagens e ameaças de ruptura institucional após pouco mais de três décadas em que a normalidade democrática foi restabelecida em nosso país“, diz a intitulada ‘Coalização para a Defesa do Sistema Eleitoral’

A Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia), a CND (Coalizão Negra por Direitos), a CMDPB (ColetivA Mulheres Defensoras Públicas do Brasil) e o FSMJD (Fórum Social Mundial Justiça e Democracia) são alguns nomes fortes da coalizão.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.