Luis Miranda chama Lorenzoni de “rolha” e chora ao comentar fim do contrato Covaxin/Precisa

23/07/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Luis Miranda chama Lorenzoni de “rolha” e chora ao comentar fim do contrato Covaxin/Precisa

O deputado se emocionou porque suas afirmações sobre as supostas irregularidades na compra do imunizante pelo Ministério da Saúde se confirmam com a notícia de que o laboratório indiano acusou a empresa brasileira de falsificar documentos, o que não mais justifica o parlamentar ter virado alvo de investigação por ‘denunciação caluniosa’

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) chorou em um vídeo publicado nas redes sociais no qual fala sobre o fim do contrato entre a empresa indiana fabricante da vacina Covaxin, a Bhrath Biotech, e a Precisa Medicamentos, empresa brasileira que estava negociando o imunizante com o Ministério da Saúde.

A farmacêutica indiana cancelou hoje o contrato após denunciar que a Precisa falsificou documentos que foram apresentados ao Ministério.

No vídeo, o parlamentar comenta, às lágrimas, uma reportagem sobre o assunto. “E sou eu que devo ser denunciado por denunciação caluniosa? Contra a saúde pública? Contra o nosso povo brasileiro? Ser humilhado, alvo de chacota?”, afirmou o deputado.

Aliado ao presidente no início do mandato, Miranda foi classificado como traidor após denunciar, junto com seu irmão, supostas irregularidades na compra da vacina Covaxin.

Eles dizem ter alertado o presidente Bolsonaro, que não teria acionado a PF para investigar o caso. Agora, Miranda é alvo de um processo que o investiga por denunciação caluniosa.

Na legenda da publicação, Miranda também perguntou se Onyx Lorenzoni, que o atacou após a denúncia feita pelos irmãos da CPI, falaria sobre o fim do contrato.

Será que o Onyx, ministro rolha e entendedor de documentos falsos, vai fazer um pronunciamento? Parece loucura, mas governo e a sua base estão defendendo uma empresa que embolsou R$ 20 milhões que deveriam ter se transformado em medicamentos de alto custo“, afirmou o parlamentar.

do UOL.

Assista ao vídeo de Miranda e leia mais a seguir:

Leia o texto postado por Luis Miranda em seu prefil no Facebook:

“A fabricante da vacina indiana Covaxin cancelou o acordo de venda do imunizante com a empresa Precisa Medicamentos, que estava negociando com o Ministério da Saúde.

A razão é simples: a empresa Precisa Medicamentos forjou documentos que estão no processo repleto de irregularidade que meu irmão e eu levamos ao presidente.

Sim! Até a fabricante da vacina já tomou uma atitude contra a empresa que queria receber 1 bilhão e 600 milhões de reais do dinheiro do povo brasileiro – em um paraíso fiscal – sem ter entregue uma dose sequer da vacina.

Sabe o que o governo fez até agora?

Pediu para que investiguem quem apontou essa nojeira toda.

Será que o Onyx, ministro rolha e entendedor de documentos falsos, vai fazer um pronunciamento?

Parece loucura, mas governo e a sua base estão defendendo uma empresa que embolsou 20 milhões de reais que deveriam ter se transformado em medicamentos de alto custo.

Remédio para pessoas que estão doentes e não têm condições de pagar.

Pegaram o dinheiro e não entregaram os medicamentos.

Esse é um, só um, dos malfeitos dessa turma.

Eles estão sendo investigados por superfaturamento de testes de covid no DF.

Testes com qualidade inferior, ou, no bom português, fajutos.

É absurdo o que está acontecendo.

E mais: o dinheiro já estava reservado pra pagar essa corja.

1,6 bilhão pra uma atravessadora de um laboratório que nem pela Anvisa passou.

Dinheiro que poderia estar sendo usado na compra de outras vacinas.

Vidas e mais vidas perdidas por conta de negociata.

O que mais vai ser preciso para as pessoas abrirem os olhos?

Onde a gente vai ter que chegar?

Vão seguir jogando pedra em quem fez o certo e abraçando quem tá errado?

A política virou uma guerra, uma disputa por quem fez pior.

E nessa, o povo brasileiro é o maior prejudicado”.

Comente