JN da Globo noticia anulação das condenações de Lula por quase meia hora

08/03/2021 1 Por Redação Urbs Magna

Reportagem com Willian Bonner e Renata Vasconcellos, que abriu a programação do telejornal, teve duração de mais de 25 minutos e destacou, como motivo da decisão do ministro do STF, o apartidarismo que esteve ausente na Lava Jato de Curitiba, necessário para o julgamento do ex-presidente

O Jornal Nacional, da Globo, sob o comando dos telejornalistas Willian Bonner e Renata Vasconcellos, divulgou a notícia da anulação das condenações de Lula na Lava Jato de Curitiba, pelo ministro do STF Edson Fachin por aproximadamente 25 minutos. O conteúdo foi destaque de abertura de uma das edições mais importante dos últimos anos.

Os apresentadores deram ênfase à recuperação dos direitos políticos de Lula e ao teor da decisão do ministro sobre o apartidarismo da Justiça, necessário para um julgamento equidistante.

O telejornal da emissora, que foi o maior responsável pela formação da opinião antipetista através da disseminação espetaculosa dos processos contra o ex-presidente, notadamente com a construção de termos marcantes com o objetivo de criar uma narrativa difamatória, dedicou quase metade de seu tempo detalhando a decisão de Fachin sobre a imparcialidade dos membros da operação em Curitiba.

Ao El País da Espanha, Lula afirmou, recentemente, que espera ver Willian Bonner pedindo-lhe desculpas (assista a alguns vídeos do JN em seguida):

Assista aos quatro trechos do JN contendo a abertura do telejornal, os motivos de Fachin para a decisão, a nota da defesa de Lula integralmente lida pela jornalista do JN e, sobre a recuperação dos direitos políticos de Lula, no último vídeo, que também menciona a vara federal de Brasília, para onde irão os processo do ex-presidente, com comentários de especialistas sobre a possibilidade de uma nova condenação:

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.