Janones: “Em 2021 as pessoas continuam sem emprego, sem renda e famintas”

01/01/2021 1 Por Redação Urbs Magna

O deputado federal mineiro atenta para o fato de que “para muitos, é ano novo”, mas que muita gente seguirá sem esperança nesta nova etapa que se inicia | Com o fim do auxílio emergencial grande parcela de brasileiros ficará desamparada, já que o valor recebido literalmente mantinha sua sobrevivência

A afirmação do deputado federal foi feita na noite de ontem (31), último dia do ano crítico de 2020, em seu perfil social do Twitter, quando Janones deixou sua mensagem com o tema implícito do fim do auxílio emergencial

A poucas horas do réveillon, André Janones escreveu: “Pra muitos, amanhã não será um ano novo. Depois da meia noite as pessoas continuarão desempregadas, quem passa fome continuará não tendo o que comer, e quem não tem renda continuará sem renda”:

Bolsonaro confirmou o fim de auxílio emergencial e minimizou pandemia dizendo que o brasileiro tem que ‘tocar a vida’.

“Sei que muitos cobram, querem coisa melhor e alguns esquecem até que estamos terminando um ano atípico, onde nós nos endividamos em R$ 700 bilhões para conter a pandemia, [para] dar o auxílio emergencial para quem perdeu tudo. Os informais, em grande parte, perderam tudo, a renda foi a zero. Querem que a gente renove [o auxílio emergencial], mas a nossa capacidade de endividamento chegou ao limite”, disse o presidente a uma pessoa de sua comitiva, que gravou a declaração e divulgou no Facebook de Bolsonaro.

Com o fim do auxílio emergencial muitos brasileiros ficarão desamparados, já que os valores recebidos eram para manter a sobrevivência. O jornalista Jorge Roberto Wright Cunha, do Jornal Contábil, dá uma dica preciosa a quem se vê nesta situação. Leia a transcrição abaixo:

Veja os benefícios que poderão ajudar no futuro

Aqueles que estão em situação vulnerável vão poder contar com alguns programas sociais do governo que tem como objetivo ajudá-los.

Geralmente os programas sociais do governo, exige que o brasileiro cumpra as regras para poder ter acesso ao benefício.

Veja alguns programas:

  • Programa de distribuição de renda do governo federal
  • Benefício de Prestação Continuada (BPC)
  • Benefício de Risco ou Programável do INSS

Os inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) poderão ter direito a 22 benefícios
Também existem outros benefícios que será possível acessar, são programas sociais que se utilizam de base de dados do Cadastro Único (CadÚnico) para liberação.

Quem estiver cadastrado no CadÚnico poderá contar com 22 benefícios específicos

  • Aposentadoria para Pessoas de Baixa Renda;
  • Tarifa Social de Energia Elétrica;
  • Benefício de Prestação Continuada (BPC);
  • Programa Minha Casa Minha Vida;
  • Carteira do Idoso;
  • Bolsa Família;
  • Telefone Popular;
  • Isenção de Pagamento de Taxa de Inscrição em Concursos Públicos;
  • Programas Cisternas;
  • Água para Todos;
  • Bolsa Verde (Programa de Apoio à Conservação Ambiental);
  • Bolsa Estiagem;
  • Fomento às Atividades Produtivas Rurais/ Assistência Técnica e Extensão Rural;
  • Programa Nacional de Reforma Agrária;
  • Programa Nacional de Crédito Fundiário;
  • Crédito Instalação;
  • ENEM;
  • Serviços Assistenciais;
  • Programa Brasil Alfabetizado;
  • Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti);
  • Identidade Jovem (ID Jovem);
  • Carta Social.

Como se inscrever no Cadastro Único

As pessoas poderão se inscrever no Cadastro Único (CadÚnico), precisará estar atento, isso porque, alguns municípios organizam visitas regulares às famílias de baixa renda para os incluir no CadÚnico.

Se sua família se encaixar no perfil e possa se cadastrar e ainda não o fez, será possível realizar o cadastro de forma presencial.

Você deverá entrar em contato com o Centro de Referência em Assistencial Social (CRAS) mais próximo. Em algumas unidades será possível se cadastrar. Para conseguir cadastrar toda a família será necessário que um membro fique responsável para prestar informações dos dados de todos os membros. Essa pessoa (chamada de Responsável pela Unidade Familiar – RF), precisará:

  • Fazer parte da família, morar na mesma casa, ter pelo menos 16 anos de idade e ser, preferencialmente, mulher;
  • Apresentar seu CPF ou Título de Eleitor (exceto em casos de famílias indígenas e quilombolas, que podem apresentar qualquer um dos documentos abaixo);
  • Mostrar pelo menos um documento de cada membro da família (pode ser certidão de nascimento ou casamento; CPF; RG; certidão administrativa de nascimento do indígena, RANI; carteira de trabalho; ou título de eleitor).

Não é necessário mostrar um comprovante de residência, porém, se você tiver um comprovante, será melhor apresentá-lo, o que facilitará o preenchimento do cadastro.

Comente