Janio de Freitas descreve Bolsonaro como um ‘Inseto Repelente’, diz jornalista

19/09/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Janio de Freitas descreve Bolsonaro como um ‘Inseto Repelente’, diz jornalista

Janio de Freitas em 2012, no programa Roda Viva (foto reprodução) e o presidente Jair Bolsonaro / O jornalista, um dos mais duros críticos de Bolsonaro e seu governo, esceveu artigo na Folha neste sábado (18) sobre a Prevent Senior e sua pesquisa com cloroquina feita em pacientes sem seus consentimentos ou conhecimento | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Sérgio Augusto reproduziu trecho do artigo de seu colega de profissão em que o colunista da Folha afirma que o presidente é “desesperado até em sua humilhante mansidão’. Janio de Freitas diz que recusar impeachment agora permite “mais bolsonarismos do poder”

“Desesperado até em sua humilhante mansidão”. É o Janio de Freitas descrevendo o Inseto Repelente”, disse o jornalista Sérgio Augusto em seu perfil no Twitter sobre a matéria de Janio de Freitas na Folha de S. Paulo deste sábado (18), em que o colunista escreve, ipsis litteris, “Bolsonaro se esvai em sinais de desespero —visíveis até na sua humilhante mansidão”.

Augusto ‘printou’ o artigo de seu colega de profissão, em que ele afirma que recusar impeachment agora permite “mais bolsonarismos do poder”, e o postou na rede social.

Sob o título impresso ‘Corrente de fraudadores’, o jornalista diz que Bolsonaro estava informado de pesquisa e propagou-a pela cloroquina. O título da matéria on line é ‘Recusar impeachment é abrir oportunidades a mais bolsonarismos do poder‘. Freitas comenta o caso da empresa Prevent Senior, que realizou testes com a droga de eficácia não comprovada pela ciência, sem o conhecimento ou consentimento de pacientes que vieram a entrar em óbito.

Freitas defende que o impeachment de Jair Bolsonaro deve ser já a fim de se evitar novos governos desse tipo.

Para o jornalista, nas 600 mil mortes atribuídas ao coronavírus, o destino de algumas centenas de milhares passa por Bolsonaro, sem por isso supor-se que estejam entre eles os 30 mil visados e inidentificados por Bolsonaro. Destes, só temos uma ideia pouco numerosa.

O colunista da Folha lembra que a cada semana a CPI da Covid deparou-se com as evidências de mortes em massa e outras tantas iminentes. Com a causa comum de diferentes ações de indução letal por Bolsonaro e seus agentes.

Esse e demais crimes que passam por Bolsonaro, relacionados à pandemia, são do tempo da sua sensação de predomínio. Hoje, o êxito comprovado da vacinação desmoraliza os jacarés de sua mente, seu apoio público evapora, cai em derrotas sucessivas, Bolsonaro se esvai em sinais de desespero —visíveis até na sua humilhante mansidão“, diz Freitas.

Então, Freitas alerta: “Recusar a aceitação do impeachment pelos crimes do passado, como fazem Arthur Lira e seus recompensados paus-mandados do centrão, na Câmara, é abrir oportunidades a Bolsonaro e seus corruptos para mais bolsonarismos do poder“.

Nem mortes excluídas, seja por que modo e motivo forem. Violência, inflação, custo de vida, desemprego: o país desce empurrado para o desastre insondável“, escreve o jornalista.

“O cidadão tem o direito de conhecer bem os que impedem a primeira providência capaz de sustar a descida. E os meios de comunicação têm o dever de proporcionar esse conhecimento cívico aos cidadãos. Congressistas nas vantagens sem limite nem moral, eles são tão responsáveis pelo havido e pelo que houver quanto Bolsonaro e seus quadrilheiros”.

Comente