Gregório Duvivier contraposto à intervenção federal racista e preconceituosa

03/03/2018 0 Por Redação Urbs Magna

Apesar de trabalhar pro Império (HBO) faz trabalho e tanto…! O cara é rico, famoso, branco e mora em um bairro onde não tem exército, UPP, BOPE ou mandado de busca coletivo.

O cara tem plantas de maconha e sabe que a polícia jamais entrará no apartamento dele. E o que é que ele faz? Publica a foto da planta em redes sociais onde é seguido por milhares de pessoas e diz, uma e outra vez, “a polícia não me prende porque eu sou branco, rico e famoso”.

Escreve coluna em jornal falando sobre isso. Denuncia que a guerra contra as drogas é uma guerra contra pobres e pretos. Grava depoimento para grupos antiproibicionistas, falando que é maconheiro e tem planta em casa. Usa sua fama e prestígio para apoiar a legalização e denunciar a hipocrisia da proibição, o racismo da proibição, o classismo da proibição.

Provoca a lei: venham, me prendam. Assume o risco de se colocar no lugar dos que não têm os privilégios dele. E o que é que a militância chata pra caralho do Facebook faz? Em vez de aproveitar esse apoio à causa antiproibicionista, “problematiza”.

Diz que o cara é um homem-branco-e-rico sem consciência dos seus privilégios (oi?). Logo ele, que denuncia esses privilégios. E bate nele como se fosse o inimigo, com textões sobre lugar de fala e outros conceitos acadêmicos que nunca entenderam.

Eu não sei se é falta de interpretação de textos, ignorância ou má-fé, mas PUTA MERDA HEIN! Sim, estou falando do Gregório Duvivier.

Subscreva nosso Canal do Youtube e tenha acesso a todos os vídeos. Curta nossa Página no Facebook e receba em primeira mão todas as postagens. Entre para o Grupo PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO e acompanhe as propostas para um país mais igualitário.

Urbs Magna via Gerson Shatkoski

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.
Anúncios