Governo aumenta impostos do IR 2020? Não, mas deixa de atualizar tabela e dá no mesmo: Você vai pagar mais!

20/02/2020 0 Por Redação Urbs Magna


Publicado por ET URBS MAGNA


A Receita Federal acaba de anunciar regras para a entrega da Declaração do Imposto de Renda 2020. As diretrizes informadas pelo órgão confirmam que a tabela não sofreu correção pelo índice de inflação em 2019.

Na prática, ao não corrigir a tabela, o governo realiza um aumento de impostos.

A tabela do IR não sofre correção desde o ano de 2015.

Em 2020, a Receita exigirá o número do recibo da declaração anterior para os contribuintes titulares e seus dependentes que, no ano-calendário 2019, auferiram rendimentos sujeitos ao ajuste anual igual ou maior que R$ 200.000,00.

No anúncio, a faixa de isenção permanece em R$ 1.903,98 por mês, a mesma do ano passado.

Durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro prometeu subir a faixa de isenção para cinco salários mínimos, o que equivalia a R$ 4.770 na época.

No ano passado, o presidente voltou a falar em subir a faixa de isenção, mas menos, para R$ 3.000.

Veja o que disse o presidente na época, durante uma entrevista no Palácio do Alvorada:

“Está na reta final para ver se a gente passa o limite do Imposto de Renda para R$ 3.000. O Tostes [José Tostes, secretário Especial da Receita Federal], na Receita, que faz as projeções. Quem paga Imposto de Renda nessa faixa, quando chegar em março e abril do ano que vem, ele tem nota fiscal, ele recupera tudo de volta. Se a gente pode evitar essa mão de obra enorme para a Receita, para o cara que às vezes tem que procurar um vizinho, um filho, tem dor de cabeça para fazer essa declaração do Imposto de Renda, passa o limite para R$ 3.000. Para mim, o ideal seria R$ 5.000, mas aí o impacto é muito grande. Mas se tá em R$ 2.000 e passa para R$ 3.000, já começa a sinalizar, realmente, uma desburocratização”,


Jair Messias Bolsonaro

Mais de 10 milhões seriam isentos

Considerando a inflação de 2019, de 4,31%, a defasagem da tabela do imposto atinge 103,87%, conforme estudo realizado pelo sindicato dos fiscais da Receita Federal, o Sindifisco Nacional.

Nas contas do Sindicato, a faixa de isenção do imposto, deveria atingir todas as pessoas que ganham até R$ 3.881,85 mensais. Sendo assim, 10 milhões de contribuintes estariam isentos.

A conta do Sindifisco, de defasagem de 103,87%, considera a inflação acumulada e não repassada integralmente para a tabela do IR desde 1996.

Para correção da tabela, o governo deverá apresentar ao Congresso uma proposta através de projeto de lei.

No entanto,segundo o sindicato, do ponto de vista legal, não há nada que obrigue o governo a reajustar anualmente a tabela do IR, ou mesmo a vincular o reajuste ao IPCA.

A última vez que a tabela passou por correção foi em 2015, quando a então presidente Dilma Rousseff estabeleceu reajuste, em média, de 5,6% nas faixas salariais de cálculo do IR, índice bem inferior à inflação naquele ano, que superou os 10%.

Em 2016, 2017 e 2018 não foi registrado nenhuma correção, apesar de a inflação ter avançado 6,28%, 2,94% e 3,75%, respectivamente.

NotíciasConcursos

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.