Gabinete do ódio do governo atacou opositores nas redes sociais em ação coordenada

24/09/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Gabinete do ódio do governo atacou opositores nas redes sociais em ação coordenada

O vereador Carlos Bolsonaro e seu pai, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro | Imagem reprodução


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

CPI no Senado está em poder de mensagens de blogueiros bolsonaristas que usavam seus grupos de WhatsApp para disseminar mentiras contra os adversários políticos do presidente

O chamado “gabinete do ódio” supostamente promovido pelo filho do presidente do Brasil, o vereador Carlos Bolsonaro, atacou opositores nas redes sociais em ação coordenada, conforme revelam as mensagens que estão em poder da CPI da Covid no Senado, as quais indicam que blogueiros ligados ao governo usavam grupos de WhatsApp para coordenar ataques nas redes sociais contra adversários políticos de Jair Bolsonaro. 

A ação foi realizada contra João Doria (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Joice Hasselmann (PSL-SP). Apesar da parlamentar ser uma ex-aliada de Bolsonaro, ela se tornou inimiga do governo ao denunciar esquema de divulgação de notícias falsas e o uso de robôs.  A informação é do jornal O Globo

O youtuber bolsonarista Bernardo Küster afirma em uma conversa em um grupo do aplicativo, em abril de 2020:

“Recebi ordens do GDO para levantar forte a tag #DoriaPiorQueLula. Bora lá no Twitter”.

Ele foi apoiado por outros integrantes do chat.

Cinco meses antes, durante os trabalhos da CPMI das Fake News, Küster tentou vazar informações que, avaliou, prejudicariam Joice, ex-aliada de Bolsonaro.

O termo “GDO”, segundo senadores que estão analisando as mensagens, seria uma referência a “Gabinete do Ódio”, forma como o grupo de apoiadores com atuação nas redes — que incluiria também auxiliares com cargos no Palácio do Planalto — ficou conhecido.

Relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) avalia incluir as informações contidas no material em seu parecer final.

Comente