Exemplo no Chile: rejeição ao neoliberal Sebastián Piñera chega a 79%, após os protestos

04/11/2019 0 Por Redação Urbs Magna

Levantamento mostra ainda que 83% concordam que o Chile deve ter uma nova constituição, para substituir a imposta em 1980 pelo ditador Augusto Pinochet


O Instituto Cadem publicou nesta segunda-feira (4) seu primeiro estudo sobre a opinião dos chilenos desde o início da convulsão social no país. Como era de esperar, os números são péssimos para o atual presidente, o megaempresário neoliberal Sebastián Piñera – um dos principais aliados de Jair Bolsonaro na região.

Resultado de imagem para sebastián pinera e o povo
Chilenos pedem a renúncia de Sebastián Piñera

Segundo a pesquisa, a aprovação de Piñera é de 13%, exatamente 20 pontos menos que a última medição feita pelo instituto, em meados de setembro. Já a rejeição a ele subiu 26 pontos e agora é de 79%.

A pesquisa também afirma que estratégia do presidente chileno de promover uma reforma ministerial para tentar mostrar uma nova etapa do governo, mais voltada aos temas sociais, não deu certo: 64% dos entrevistados dizem que não gostaram das mudanças.

Outros aspectos importantes têm a ver com a constituição e com as manifestações. São 72% os que apoiam os protestos realizados no país desde o dia 18 de outubro. Por outro lado, 83% concordam que o Chile deve ter uma nova constituição, para substituir a imposta em 1980 pelo ditador Augusto Pinochet.

Em relação ao Estado de exceção decretado por Piñera, que vigorou entre os dias 20 e 27 de outubro, 66% disseram que a medida foi um erro do governo, 69% acreditam que militares e policiais cometeram abusos durante o período e 49% acham que houve violações sistemáticas aos direitos humanos.

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.