Ex-ministros da Defesa assinam nota de apoio à PEC que barra militares da ativa em cargos políticos

Devem assinar um texto conjuntamente Nelson Jobim, Celso Amorim, Jaques Wagner, Aldo Rebelo e Raul Jungmann. Para além do respaldo, a nota deve chamar a atenção para a responsabilidade do Congresso, por sua omissão, na atual crise.


Da Folha de S. Paulo

Ex-ministros da Defesa vão entrar em peso para apoiar a Proposta de Emenda à Constituição que tem o objetivo de impedir que militares da ativa ocupem cargos políticos em governos, de autoria da deputada Perpétua Almeida (PC do B-AC). Devem assinar um texto conjuntamente Nelson Jobim, Celso Amorim, Jaques Wagner, Aldo Rebelo e Raul Jungmann. Para além do respaldo, a nota deve chamar a atenção para a responsabilidade do Congresso, por sua omissão, na atual crise.

Nos países com democracia consolidada, quem faz a supervisão das Forças Armadas é o Parlamento. Ao ao se alienar do tema da regulamentação das Forças Armadas nos governos, nosso Congresso tem sido parceiro dessa crise que estamos vivendo com [o ex-ministro e general da ativa Eduardo] Pazuello e outros
Raul Jungmann
Ex-Ministro da Justiça

Tenho dialogado sempre com a deputada no sentido de que isso vem em hora muito boa. Um grande debate sobre isso nos faz falta há muito tempo. Em diálogo com as Forças Armadas, respeitosamente, mas temos que discutir isso. Até onde vai a participação dos militares dentro do governo?
Raul Jungmann
Ex-Ministro da Justiça

Perpétua deve entregar a PEC com as 171 assinaturas necessárias na quarta-feira (14). Depois disso, ela pretende se encontrar com Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, para debater quando ele enviará o texto para a Comissão de Constituição e Justiça.

O debate não é sobre a participação de militares da ativa em áreas técnicas. É sobre a participação deles na política, nos interesses de governo e não de estado. Queremos evitar a politização dos quartéis
Perpétua Almeida
Deputada federal (PCdoB-AC)

Depois de passar pela CCJ, uma comissão especial deve ser instalada para analisar e votar o mérito da PEC. Depois disso, ela segue para duas votações no plenário da Câmara, e então é enviada para ser votada também no Senado.


Siga no Telegram

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.