Estrategista eleitoral de Trump é citado em possível corrupção de US $ 2 trilhões

20/09/2020 0 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe

Milhares de documentos detalhando US $ 2 trilhões (R$ 10,8 trilhões) de transações potencialmente corruptas que foram lavadas pelo sistema financeiro dos EUA vazaram para um grupo internacional de jornalistas investigativos.

O vazamento se concentra em mais de 2.000 relatórios de atividades suspeitas (SARs) protocolados na Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) do governo dos Estados Unidos, disse o The Guardian

Bancos e outras instituições financeiras registram SARs quando acreditam que um cliente está usando seus serviços para atividades criminosas em potencial.

Entretanto, o registro de um SAR não exige que o banco deixe de fazer negócios com o cliente em questão.

Os documentos foram fornecidos ao BuzzFeed News , que os compartilhou com o ICIJ (International Consortium of Investigative Journalists – Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos).

Os documentos sugerem que grandes bancos fornecem serviços financeiros a indivíduos de alto risco em todo o mundo, em alguns casos, mesmo depois de terem sido colocados sob sanções pelo governo dos Estados Unidos.

De acordo com o ICIJ, os documentos referem-se a mais de US $ 2 trilhões de transações entre 1999 e 2017.

Um dos nomeados no SAR é Paul Manafort , um estrategista político que liderou a campanha eleitoral presidencial de Donald Trump em 2016 por vários meses.

Ele deixou o cargo depois que seu trabalho de consultoria para o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych foi exposto, e ele foi posteriormente condenado por fraude e evasão fiscal.

De acordo com o ICIJ , os bancos começaram a denunciar atividades ligadas a Manafort como suspeitas no início de 2012. Em 2017, o JP Morgan Chase apresentou um relatório sobre transferências eletrônicas no valor de mais de $ 300 milhões envolvendo empresas de fachada em Chipre que haviam feito negócios com a Manafort.

O ICIJ disse que o advogado de Manafort não respondeu a um convite para comentar.

Um relatório separado detalha mais de US $ 1 bilhão em transferências eletrônicas do JP Morgan Chase que o banco mais tarde suspeitou estarem vinculadas a Semion Mogilevich, um suposto chefe do crime organizado russo que figura na lista dos 10 mais procurados do FBI.

Um porta-voz do JP Morgan Chase disse à BBC: “Seguimos todas as leis e regulamentos de apoio ao trabalho do governo para combater crimes financeiros. Dedicamos milhares de pessoas e centenas de milhões de dólares a este importante trabalho. ”

De acordo com o Panorama da BBC , o banco britânico HSBC permitiu que um grupo de criminosos transferisse milhões de dólares de um esquema Ponzi por meio de suas contas, mesmo depois de ter identificado sua fraude.

O HSBC disse em um comunicado: “A partir de 2012, o HSBC embarcou em uma jornada de vários anos para revisar sua capacidade de combater o crime financeiro em mais de 60 jurisdições”. Acrescentou: “O HSBC é uma instituição muito mais segura do que era em 2012.”

Em um comunicado divulgado no início deste mês, a FinCEN condenou a divulgação dos documentos vazados e disse que encaminhou o assunto ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

“A Financial Crimes Enforcement Network está ciente de que diversos meios de comunicação pretendem publicar uma série de artigos baseados em relatórios de atividades suspeitas (SARs) divulgados ilegalmente, bem como outros documentos governamentais sensíveis, de vários anos atrás”, afirmou.

“Como o FinCEN afirmou anteriormente, a divulgação não autorizada de SARs é um crime que pode afetar a segurança nacional dos Estados Unidos, comprometer as investigações de aplicação da lei e ameaçar a proteção e a segurança das instituições e indivíduos que fazem esses relatórios.”

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe