Em vídeo, Moro teria admitido que perseguiu Lula e secretário maranhense diz que STF “deve anular processos urgente”

06/07/2020 1 Por Redação Urbs Magna
𝐔𝐌 𝐉𝐮𝐬𝐭𝐢ç𝐚 – Um vídeo que circulou nas redes sociais com uma entrevista do ex-ministro Sérgio Moro à Globo News criou uma polêmica entre os que defendem que o ex-juiz teria condenado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sem provas, cujas sentenças aplicadas também foram desaprovadas por alguns dos maiores juristas do Brasil e do mundo. Um secretário do Maranhão disse, em seu perfil do Twitter, que Moro admitiu que perseguiu Lula quando afirmou, ao jornalista que o entrevistava, que “brincou com Lula no ringue” tratando-o como “adversário em rinha de boxe quando de seu interrogatório na Lava Jato“. Na avaliação do publicador, Moro persequiu Lula e o “STF tem que anular o processo por quebra da imparcialidade. URGENTE!

A operação Lava Jato abriu caminho para a eleição de Jair Bolsonaro em 2018, após a prisão e perda dos direitos políticos de Lula. Publicações sobre o comentário de Moro viralizaram nas redes, após palavras proferidas pelo ex-Ministro da Justiça de Bolsonaro. O próprio grupo Globo, que parece apoiar sua eventual candidatura à presidência da República em 2022, foi responsável por disseminar, através da GNews, as suas declarações.

Rodrigo Lago, Secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, ex-Casa Civil e Transparência do Maranhão, além de ex-Conselheiro Federal da OAB, publicou o trecho do vídeo em que Moro diz que Lula foi tratado como um adversário de rinha de boxe.

Como a gente fez lá no…brincando, no RINGUE COM LULA, na audiência”, confessou Sérgio Moro que tratou o ex-presidente Lula como adversário em rinha de boxe quando de seu interrogatório na Lava Jato. O STF tem que anular o processo por quebra da imparcialidade. URGENTE!”, escreveu Lago em seu perfil social do microblog Twitter na noite deste domingo (05).

Assista ao vídeo:

Junte-se a 37.054 outros assinantes

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL