É “criminoso” Bolsonaro usar o 7 de setembro como “comício da sua facção política”, diz Aldo Rebelo

Ex-ministro de LULA afirmou que o presidente usa da Bandeira do Brasil para fazer campanha “e no outro dia bate continência” para a dos EUA

Aldo Rebelo – ex -ministro da Defesa no governo LULA, que também ocupou os ministérios do Esporte e Ciência e Tecnologia, afirmou ao Estadão que o “uso da Bandeira e as cores do Brasil para fazer campanha” é “uma tragédia” e considerou “criminoso” o fato de Bolsonaro “usar a data magna do País, que é o 7 de setembro, como um comício da sua facção política. E no outro dia bate continência para a bandeira americana“.

Rebelo também opinou sobre “risco de golpe ou uma situação como a que houve no Capitólio nos EUA“, conforme perguntou o entrevistador do jornal. O ex-ministro disse que não acredina nisso e ainda questionou: “Quem está interessado em dar um golpe no Brasil? As Forças Armadas? Os meios empresariais? A mídia? A CNBB? A Embaixada Americana?“. O hoje candidato do PDT ao Senado, pelo estado de São Paulo, disse ainda que “quem apoiou o golpe de 1964” não apoia os ataques de Bolsonaro: “Nenhum deles apoia hoje“.

Perguntado sobre “o que achou da entrada dos militares no debate sobre urnas eletrônicas?“, Aldo Rebelo respondeu que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) cometeu “grave erro” ao convidar militares para participação no processo eleitoral e explicou que isso foi como convidar Bolsonaro a atacá-lo:

Não tem inocente nessa narrativa. Por que o TSE foi convidar as Forças Armadas para se meter em um assunto que não é da sua esfera? Isso nunca foi assunto do Executivo. O primeiro grave erro foi o TSE convocar as Forças Armadas. Além de convocar ainda pediu um parecer. Por que colocou o Exército no meio do debate? Se você convidar o Ministério da Defesa está convidando o presidente da República, que é um desafeto da urna eletrônica. Essa comédia de erros começa com o TSE e encontra um coadjuvante à altura, que é a Defesa“, disse o ex-ministro.

Siga Urbs Magna no Google Notícias
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.