Derrotas em série: Está cada vez mais claro que o governo Bolsonaro não terá maioria no Legislativo

14/05/2019 0 Por Redação Urbs Magna

Uma das primeiras perguntas que se fez sobre o governo de Jair Bolsonaro é como ele agiria para obter maioria no Legislativo. A resposta, que vem ficando mais clara a cada semana, é que ele não a terá

Até aqui, a administração perdeu todas as votações relevantes que enfrentou no Congresso. Está prestes a ver desfeitos até mesmo alguns pontos da medida provisória nº 870, baixada no primeiro dia do novo governo, que reorganizou os ministérios e outros órgãos federais. Se há algo que o Legislativo sempre concedeu a presidentes eleitos, é a prerrogativa de desenhar como preferissem a estrutura com a qual trabalhariam.

Em condições normais, poderíamos cravar como próxima de zero a probabilidade de uma administração assim fraca no âmbito do Legislativo aprovar uma reforma impopular como é a da Previdência. Mas nós definitivamente não vivemos tempos normais. Prefeitos e governadores já se aproximaram o bastante do abismo para constatar que, sem refrear os gastos com aposentadorias e pensões, as contas públicas se tornarão inadministráveis. Essa percepção está chegando aos parlamentares. O mais provável, portanto, é que uma versão desidratada da reforma proposta pela equipe econômica venha a ser aprovada, apesar da falta de empenho do presidente, que passa sempre a impressão de ser instintivamente contrário às mudanças.

Como Bolsonaro já deu todas as indicações de que não alterará seu estilo de gestão, a pergunta relevante passa a ser se a aprovação de uma reforma da Previdência basta para assegurar a sobrevivência do governo. A resposta é que dependerá do desempenho da economia. Se a revisão do sistema previdenciário trouxer a chuva de investimentos e contratações com a qual sonham alguns empresários, Bolsonaro termina tranquilamente o mandato e pode até ser reeleito. De minha parte, acho difícil. Reequacionar a Previdência é condição necessária, mas não suficiente para destravar o crescimento.

via Folha de São Paulo

Comente