Deportações a jato: Trump expulsará imigrantes sem documentos

21/10/2020 0 Por Redação Urbs Magna

O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na quarta-feira que implementou uma política para deportar “rapidamente” imigrantes sem documentos que não possam provar que estão nos EUA há pelo menos dois anos.

A informação foi comunicada pelo Gabinete de Imigração e Alfândega, aparelho federal responsável pelas deportações, em comunicado em que referiu que pode, a partir de hoje, “acelerar” a expulsão de determinados imigrantes sem documentos e com antecedentes criminais. graças a uma ordem judicial emitida recentemente pelo Tribunal de Apelações do Distrito de Columbia.

“Nossa capacidade de implementar esta importante ferramenta estatutária nos permitirá proteger ainda mais nossas comunidades e preservar a integridade das leis de imigração exigidas pelo Congresso de nossa nação”, disse Tony Pham, Diretor Interino do Gabinete.

Antes da implementação desta nova diretriz, as autoridades de imigração só podiam usar a “deportação acelerada” com imigrantes detidos em um raio de 100 milhas da fronteira que não puderam provar que entraram no país legalmente e não foram pelo menos duas semanas nos EUA

A medida visa os estrangeiros que estão nos Estados Unidos “sem serem admitidos ou em liberdade condicional após a inspeção de um agente de imigração em um porto de entrada” – um processo que se aplica a requerentes de asilo – e para quem Não chegaram por mar e não estiveram fisicamente no país nos dois anos anteriores à sua inadmissibilidade.

Além disso, afetará quem está no país continuamente há pelo menos 14 dias, mas menos de dois anos.

A nova regulamentação não prejudica os estrangeiros que chegam aos portos de entrada (principalmente em busca de asilo) que, segundo o documento, “já estão sujeitos a deportação acelerada”.

De acordo com a norma, os estrangeiros que forem colocados em um processo de deportação “acelerado” e que expressem sua intenção de solicitar asilo por medo de serem perseguidos ou torturados ao retornar ao seu país “serão entrevistados por um oficial de asilo” que determinará se tem “um medo credível”.

Os imigrantes sujeitos a uma possível deportação “acelerada” poderão comprovar que estão no país há mais de dois anos com documentos de contas bancárias, faturas, recibos, cartas, registros escolares, pagamentos de impostos, entre outros.

Em relação à aplicação desta lei, o ICE esclareceu que todos os seus prepostos e procuradores “devem realizar o treinamento obrigatório” no site da agência “antes de poderem implementar“ o programa.

A nova medida começa menos de duas semanas antes da eleição presidencial de 3 de novembro, que enfrentará Trump e o candidato democrata Joe Biden.

Com informações da EFE

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.