Onde está Wally? Ricos e pobres nas mesmas covas rasas escavadas de emergência

19/04/2020 0 Por Dino Barsa

Última atualização em 19/04/2020 às 14:05h GMT

Et Urbs Magna – Depois será uma espécie de “Onde está Wally”. Longe da família, ao lado de desconhecidos, sejam ricos ou pobres, quem garante que aquele corpo pertence à família? Quando tudo passar, se passar, e os parentes quiserem exumar seus queridos que se foram na pandemia, poder-se-á estar lidando com os restos mortais de um ‘ladrão de galinha’ desprezível, em lugar daquela pessoa mais especial que partiu sem dar adeus.

Imagens aéreas (drone) do Cemitério São Luiz, São Paulo, SP / Guilherme Boulos (desenho) conforme imagem de perfil no Twitter – Et Urbs Magna

Junte-se a 37.046 outros assinantes

Salve! Abril de 2020. Cemitério São Luiz. Zona Sul de São Paulo. Proteja sua vida. Cuide dos seus. Evite o máximo. Não saia de casa. Proteja-se! Proteja-se! Não Saia de Casa“, disse recentemente Guilherme Boulous em uma de suas postagens no microblog Twitter dando voz às imagens (assista no vídeo abaixo) do cemitério São Luiz, tomadas de um drone, onde equipes de enterradores de corpos atuam nas muitas covas rasas abertas emergencialmente para dar conta de tantas vítimas de coronavírus. E o Brasil nem atingiu o pico da doença.

Assista:

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL