Celso de Mello volta ao STF, pede aposentadoria, retoma ‘interferência de Bolsonaro’ na PF e pode votar por suspeição de Moro

25/09/2020 0 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe

O decano do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello, retornou à Corte nesta sexta (25), antecipando o prazo de sua licença médica, e pediu para se aposentar antes do previsto, que seria em 1 de novembro de modo compulsório, quando compleará 75 anos.

O ministro pretende ficar somente até o próximo dia 13 de agosto. Assim, Mello reassume a relatoria do inquérito que apura a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Com a volta do decano, pode ocorrer novo julgamento para definir se o depoimento do chefe do Executivo será ou não por escrito. No mês passado, Celso de Mello, indicado pelo ex-presidente José Sarney, completou 31 anos no STF. Agora, com sua aposentadoria, Bolsonaro indicará o ocupante da vaga de Mello, mas passará por sabatina e aprovação no Senado.

A decisão mais esperada do ministro

O voto de Celso de Mello, no habeas corpus que pede a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro na sentença que condenou o ex-presidente Lula, desempataria o 2×2 que tramita na 2ª Turma do STF.

O presidente da Turma, ministro Gilmar Mendes, pediu vistas do processo e aguardava o retorno de Celso de Mello para colocar o caso em votação.

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe