Borba Gato em chamas é ato político que “exalta a rebelião e o ódio contra o opressor”, diz jornalista

24/07/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Borba Gato em chamas  é ato político que “exalta a rebelião e o ódio contra o opressor”, diz jornalista

Estávamos precisamos de algo assim, mesmo que tenha algum custo político. Bravo!“, afirmou Breno Altman, dividindo opiniões nas redes sociais, que foram tomadas por comentários sobre o incêncio da estátua do bandeirante que liderou expedições ajudando a abrir fronteiras de exploração, mas que também teria escravizado indígenas

Borba Gato (1649-1718) é famoso bandeirante que liderou expedições, assim como Fernão Dias e Raposo Tavares, ajudando a abrir fronteiras de exploração, mas oprimindo índios, apesar de não haver relatos. O jornalista Breno Altman afirmou em seu perfil do Twitter que as chamas lançadas hoje, sábado (24), contra a estátua do explorador são um ato político que “exalta a rebelião e o ódio contra o opressor”. E acrescentou que “estávamos precisamos de algo assim, mesmo que tenha algum custo político. Bravo!“, mas dividiu opiniões nas redes sociais, que foram tomadas por comentários sobre o “vandalismo” à imagem do explorador.

FAZENDO A COISA CERTA“, destacou o jornalista ao compartilhar a imagem carbonizada da estátua de Borba Gato. “Incendiar a estátua do Borba Gato é uma ação de propaganda que exalta a rebelião e o ódio contra o opressor“, prosseguiu Altman. “Estávamos precisamos de algo assim, mesmo que tenha algum custo político. Bravo!

A obra do escultor Júlio Guerra (falecido em 2001), com 13 metros de altura (+ pedestal) e de 20 toneladas, já foi vandalizada outras vezes por lembrar um período de violência dos bandeirantes aos povos indígenas do Brasil. Os ativistas consideram um erro o explorador ser homenageado como um “herói“.

Este tipo de ato político, contra monumentos erguidos em homenagem a figuras do passado que promoveram a escravidão, a segregação racial ou atos contra a humanidade, ganhou força desde a eclosão do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

Redes sociais se dividiram sobre a opinião de Altman em relação à atitude dos ativistas:

O ato foi bem simbólico, Breno. Que seja a queda da Bastilha para o bolsonarismo que se proliferou como praga no Brasil“, respondeu @EduMasterPE1.

Não concordo com a ação, mesmo concordando com a simbologia. Acho q a luta antifascista não precisa disso agora, especialmente no momento em q começa a se consolidar...”, opinou o jornalista Carlos Eduardo.

Esses anti-nacionalistas deviam protestar tb contra nossa extensão territorial, já que somos desse tamanho graças ao bandeirantes!“, disse @olintogodoy.

Esperneando porque tocaram fogo em uma estátua de uma pessoa má? Aguarde só para ver o que o fogo dos infernos faz com pessoas más que defendem a memória de pessoas más…“, afirmou um advogado.

Comente