Bolsonaro terá que depor presencialmente, diz decano do STF

30/09/2020 0 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe

O presidente Jair Bolsonaro terá que depor presencialmente no STF, por determinação do decano Celso de Mello, no âmbito do inquérito do qual é alvo por suposta interferência na autonomia da Polícia Federal.

Marco Aurélio antecipou seu voto e disse entender que o depoimento poderia ser feito por escrito. Falou que “em 1 Estado de Direito, é inadmissível o critério de 2 pesos e duas medidas”. Ainda, disse que reconhecia “a possibilidade de o Presidente da República, seja como testemunha, seja como envolvido em inquérito ou ação penal, manifestar-se por escrito”.

Os ministros haviam marcado para sexta (2) uma sessão em que decidiriam se Bolsonaro tem ou não a prerrogativa de depor por escrito, mas o decano argumentou que só chefes dos Três Poderes da República que figurem como testemunhas ou vítimas poderiam faze-lo.

O inquérito foi aberto pela Procuradoria-Geral da República (PGR) a partir das declarações do ex-juiz da Operação Lava-Jato quando este pediu demissão do governo. Na ocasião, Moro disse que Bolsonaro reclamava da falta de acesso a relatórios de inteligência e buscava interferir nos trabalhos da PF para blindar a si e a seus familiares de investigações. O presidente nega.

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe