Bolsonaro “não perde por esperar”, diz jornalista. “O troco da Justiça” será dado ao “antidemocrata”

31/07/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro “não perde por esperar”, diz jornalista. “O troco da Justiça” será dado ao “antidemocrata”

A resposta aos ataques à democracia, feitos pelo presidente, está no gatilho de ministros do Poder Judiciário em forma de ações que serão anunciadas já nesta segunda-feira. “Aqui se faz e aqui se paga”, alerta Ricardo Noblat dando o dimensionamento da coisa

O STF dará duro recado a Bolsonaro e militares“, diz Robson Bonin, na Veja deste sábado (31), atualizando informação da véspera, no jornal O Estado de S. Paulo, de que o presidente do STF, Luiz Fux, fará discurso no retorno do recesso, já nesta segunda -feira (2). O colunista da revista acrescenta que tal oratória tem acontecido “desde a eleição de Jair Bolsonaro” e “em defesa da democracia“, demonstrando que o presidente ‘antidemocrata’ do Brasil tem dado trabalho excessivo à Corte, especialmente nos últimos dias quando vê sua reeleição ameaçada por Lula e pela maioria dos pré-candidatos dispostos em pesquisa de opinião recente.

Segundo a matéria do jornal, postada nesta sexta-feira (30), o ministro destacará que os Poderes não podem extrapolar o seu papel no Estado de Direito. O recado será tanto para o chefe do Executivo quanto para o ministro da Defesa, general Braga Netto, que recentemente mandou um interlocutor avisar ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), que não haveria eleições de 2022 se não fosse aprovado o voto impresso.

Vem por aí o troco da Justiça no presidente que só faz hostilizá-la“, diz Ricardo Noblat, no portal Metrópoles, acrescentando que “Aqui se faz e aqui se paga. Bolsonaro não perde por esperar“.

Por que justamente agora, por que somente ontem o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, ordenou à Polícia Federal que retome a investigação sobre a interferência do presidente Jair Bolsonaro na corporação?“, indaga o jornalista coestaduano de Lula.

A interferência, explica Noblat, foi denunciada pelo ex-juiz Sérgio Moro quando, em abril de 2020, demitiu-se do cargo de ministro da Justiça. Na ocasião, a PGR (Procuradoria-Geral da República) abriu um inquérito a respeito, mas depois concluiu que nada aconteceu.

Mas Alexandre de Moraes quer que o caso vá adiante com o foco de que os ataques semanais de Bolsonaro contra o STF e TSE “não ficarão por isso mesmo” … “muito menos o seu empenho em desacreditar o sistema de votação eletrônica há 25 anos imune a fraudes“, escreve o jornalista observando que “tramitam ações em tribunais superiores capazes de afetar interesses pessoais de Bolsonaro. Elas poderão ganhar velocidade ou produzir decisões”.

Comente