Bolsonaro leva tombo de popularidade nas mídias sociais após 7 de Setembro, diz IPD da Quaest

13/09/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro leva tombo de popularidade nas mídias sociais após 7 de Setembro, diz IPD da Quaest


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Índice de Popularidade Digital apontou que o presidente alcançou 81,8 pontos durante os atos do feriado, mas após o fiasco da carta de Temer obteve a pior marca de 2021, baixando em três dias, para 37,1 pontos

​O presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido) levou um tombo de popularidade nas mídias sociais depois que, em 7 de Setembro, chegou ao segundo melhor patamar desde o início do ano, com 81,8 pontos. Mas três dias depois, seu Índice de Popularidade Digital, medido pela consultoria Quaest, despencou para 37,1 pontos, depois do fiasco da carta escrita por Temer, como se fosse dele, cujo texto revelou que ele voltou atrás nos ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) e nas ameaças golpistas.

No dia 8, o índice caiu para 62,4 e depois foi diminuindo, alcançando 53,7 na quinta (9), e alcançou, na sexta (10), a pior marca de Bolsonaro em 2021, segundo relatório da Quaest divulgado na Folha de São Paulo. O IPD do presidente apenas teve 37 pontos quando, em julho, a CPI da Covid revelou o suposto esquema da compra de vacinas, que ficou conhecido como covaxingate, termo que aglutina o nome da marca do imunizante Covaxin, desenvolvido pelo laboratório indiano Bharat Biotech, e Watergate, nome do escândalo político de corrupção ocorrido nos EUA, na década de 70, que culminou com a renúncia do presidente Richard Nixon.

O diretor da Quaest, Felipe Nunes, que é cientista político e professor da UFMG, afirmou ao jornal que “os atos do dia 7 trazem uma criação de expectativa. Bolsonaro foi capaz de fazer algo que quase ninguém hoje consegue, que é gerar expectativa. O processo de mobilização coordenada para os atos foi todo positivo para o presidente. O problema é que depois a euforia se transformou em frustração”.

De acordo com a análise, os bolsonaristas, desmobilizados e desiludidos com a carta, deixaram de defender Bolsonaro nas redes, fazendo seu IPD desabar ao desagradar sua base.

A métrica do IPD da Quaest avaliou o desempenho de Bolsonaro no Facebook, Instagram, Twitter, YouTube, Wikipedia e Google, com a performance sendo medida em uma escala variável de 0 a 100, em que o maior valor representa o máximo de popularidade.

Foram monitoradas seis dimensões nas redes: fama (número de seguidores), engajamento (comentários e curtidas por postagem), mobilização (compartilhamento das postagens), valência (reações positivas e negativas às postagens), presença (número de redes sociais em que a pessoa está ativa) e interesse (volume de buscas no Google, YouTube e Wikipedia).

Comente