“Bolsonaro é mantido por empresários e o ‘gabinete do ódio’ para espalhar notícias falsas”, diz Maia em entrevista

06/04/2020 1 Por Dino Barsa

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, disse neste domingo (05) que o governo Bolsonaro se beneficia de esquema patrocinado por empresários brasileiros que tem a finalidade de espalhar fake news nas redes sociais. Maia também acusa Jair Bolsonaro de ser apoiado na web pelo “gabinete do ódio”, que realiza seus ataques sob comandos vindos do exterior idealizados pelo autoproclamado filósofo e terraplanista Olavo de Carvalho. 

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, em entrevista ao Canal Livre neste domingo (05) – Foto reprodução

Maia, em entrevista ao Canal Livre, afirmou que “toda semana eles tentam criar uma nova narrativa para enfraquecer o parlamento, para enfraquecer o ministro Mandetta… O ministro Mandetta começa, agora, a ser alvo de ataques absurdos desse gabinete do ódio que é comandado do exterior por esse Olavo de Carvalho, eu já faço parte desse ataque de forma permanente, o presidente do Senado, o presidente do Supremo”.

Outro trecho importante da fala de Maia é quando ele diz que “a sociedade nesse momento começa a entender que há muitas informações falsas, muitas mentiras, mas, mais do que isso, muita irresponsabilidade, que tem sido, infelizmente, muitas vezes comandada pelo próprio presidente da República”.

Essas brigas paralelas, comandadas por um gabinete do ódio, comandado por assessores do presidente que são mais marginais do que assessores do presidente, não vão de forma nenhuma mudar as atitudes do parlamento brasileiro“, disse ao mencionar que a Câmara e o Senado estão fazendo sua parte.

As coisas foram acontecendo de forma homeopática, diferente do que fez o governo americano, que apresentou um grande pacote ao parlamento. Assim fica mais fácil de dialogar, porque, quando você faz uma grande proposta, você vai com uma proposta onde você limita as suas possibilidades“, disse o presidente da Câmara sobre as ações do Executivo e sobre a demora do Planalto em articular as medidas a serem tomadas contra as crises na Saúde e na Economia.

A sinalização do presidente vai cada dia numa linha, e ela acaba, claro, atrapalhando“, diz Maia explicando que Bolsonaro não oficializa o que afirma em seus discursos, como acabar com o isolamento social, por exemplo, porque sua “assessoria não deixa”: “Se ele assinar alguma orientação formal, que vá contra a orientação do seu próprio ministro e da OMS, certamente ele responderá pessoalmente a essa decisão de liberar o isolamento sem ter um embasamento legal para isso“, afirmou.

O mais grave nesse momento é a ansiedade que o governo vem gerando nas pessoas. A ansiedade gera conflitos entre pessoas, entre setores, entre Poderes, e são completamente desnecessários e irrelevantes“, continuou Maia sobre a atuação do Planalto que, em sua opinião, deveria atuar para salvar vidas e empregos em vez de gerar crises.

Cada um precisa assumir sua responsabilidade, em vez de ficar fugindo da sua responsabilidade. Em vez de ficar criando conflitos e insegurança com a sociedade, o Palácio do Planalto poderia estar atuando para salvar vidas, para salvar empregos, para salvar a renda dos mais vulneráveis… Mas, infelizmente, alguns no Palácio preferem, junto com o presidente, esse ‘gabinete do ódio’, preferem continuar conflitando com o Parlamento, com o Supremo do que dar soluções, talvez porque não saibam onde encontrá-las“, disse o presidente da Câmara dos Deputados.

Assista à entrevista de Rodrigo Maia no Canal Livre, em três blocos:

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
TELEGRAM:
Acesse e siga NOSSO CANAL
Receba nossas Newslleters gratuitamente
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.