Bolsonaro “é a coerência da morte e da guerra. É preciso levá-lo a sério. Não tratá-lo como louco”, orienta cientista político sobre impeachment

29/05/2020 1 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe

Et Urbs Magna – O  professor de filosofia da Unicamp, presidente do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) e cientista político Marcos Nobre afirma, em publicação, que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, é a “coerência da morte e da guerra“. e que para combatê-lo é preciso “levá-lo a sério. Não tratá-lo como louco“.

Junte-se a 37.121 outros assinantes

Nobre, que assistiu ao vídeo completo da reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, diz que ali se concontra “a encenação perfeita de um governo de guerra. Vemos o presidente como um militar treinado para aceitar que as pessoas morrem. Mas qual é a guerra ali? Não é contra a pandemia ou contra a desigualdade, é a guerra contra a democracia, por isso é revoltante.

O professor lançou um E-Book com título “Ponto-final: a Guerra de Bolsonaro contra a Democracia”, no qual lança a dúvida: “Como muitos líderes mundo afora, o presidente poderia ter usado a pandemia como oportunidade para aumentar sua popularidade, firmando-se como líder de uma união nacional. Por que não o fez?

O próprio Nobre responde: “Por surpreendente que possa parecer, Bolsonaro agiu dessa forma por fidelidade ao seu projeto autoritário. A resposta longa é a que apresento neste livro”, escreveu no início das 80 páginas de ciência política que a Folha está indicando para leitura nesta sexta-feira (29).

Ele tem um programa autoritário, não é só da boca pra fora. Ao dizer que Bolsonaro é burro ou louco, ele é confirmado no papel de antipolítico e assim se deixa de discutir política. Vamos levá-lo a sério e tratá-lo dentro do contexto da política”, orienta Nobre.

O escritor ainda diz que “Bolsonaro é antissistema, sendo que o sistema para o ex-capitão é democracia. E o que é democracia na visão dele? É a esquerda. Para o presidente, esquerda significa qualquer força política que não seja ele“.

A ruptura é representada pela redemocratização, que veio romper um processo virtuoso, a ditadura militar”, explica Nobre.

Ele não teria como não tomar as medidas que tomou, sabotando qualquer tentativa de reorganização eficiente do sistema. Caso contrário, jogaria fora o projeto autoritário. É a fidelidade dele às convicções autoritárias que o impede de agir outra maneira”, diz o professor.

Há um desespero de muita gente para que aconteça um impeachment imediatamente tamanha a sequência de barbaridades. Mas o processo de deslegitimação de um presidente sempre demora”, escreve Marcos Nobre em seu Ebook que está em todavialivros.com.br/livros e custa R$ 9,90 (até 14/6); depois, R$ 14,90

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe