Augusto Nunes espeta: “Quem morreu com cloroquina?” e tem a resposta: “Pergunte a um jornalista, eles sabem pesquisar”

14/04/2020 0 Por Redação Urbs Magna

Última atualização em 14/04/2020 às 23:49 GMT

Augusto Nunes, o colunista bolsonarista da Revista VEJA, da Record TV e também comentarista da rádio Jovem Pan, querendo ajudar o presidente em sua divulgação do uso da cloroquina para pacientes de covid-19, publicou em seu perfil no microblog Twitter um questionamento em que expõe sua defesa do produto em forma de pergunta: “Alguém aí sabe de algum infectado que tenha morrido em consequência de efeitos colaterais do uso do medicamento?

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil / Augusto Nunes, comentarista e colunista

Em clara defesa de seu presidente de estimação o comentarista e colunista que nunca se graduou na profissão duvida dos efeitos negativos da droga e demonstrou não ter conhecimento da morte de várias pessoas que receberam aplicação do ‘remédio’.

Nunes perguntou “quem morreu” e como resultado, recebeu uma chuva de comentários orientando-o sobre o que fazer para ter as ‘respostas que necessita’. Um seguidor chegou a lhe sugerir, caçoando do pseudojornalista, que: “pergunte a um jornalista, eles sabem pesquisar“.

Obviamente o que não falta na web são bolsonaristas, que saíram em defesa de Nunes comemorando seu tuíte com retuítes e falas que ignoram a realidade. Mas dentre eles, surgem outros comentários a Augusto sobre sua ignorância/interesse na guerra da cloroquina:

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
TELEGRAM:
Acesse e siga NOSSO CANAL
Receba nossas Newslleters gratuitamente
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.