Após dois recordes de desmatamento e pressão de investidores, Guedes pede compreensão e destoa em encontro na OCDE

14/07/2020 0 Por Redação Urbs Magna

É difícil vigiar tudo”, disse o ministro da Economia de Bolsonaro em discurso dissonante

Paulo Guedes – Ministro da Economia

UM Política – Com recordes de desmatamento na Amazônia e pressão de investidores, Paulo Guedes, ministro da Economia, disse que o governo Bolsonaro pediu “ajuda e compreensão” de outros países.

Guedes participou de debate na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para a busca de estratégias de enfrentamento da pandemia e elogiou os estados que realizaram dizendo que foram “mais cuidadosos”, e o coronavirus “não avançou tão rapidamente”, mas fez uma afirmação polêmica:

No Brasil, é impossível dizer quanto tempo vai durar [a pandemia] porque é um país muito grande e o processo de decisão descentralizada”, disse Paulo Guedes.

No mundo, o Brasil é o segundo país mais afetado pela pandemia, onde até o presidente está infectado. Na América Latina, nossa situação, com 72.833 mortes e 1.884.967 contaminados, é preocupante. Não se sabe se a linha de contágios já atingiu seu pico ou ainda não. Ela se mantém nivelada e não quer baixar.

Guedes diz que Brasil trata bem índios e floresta

O acordo de comércio livre entre o Mercosul e a União Europeia está sob risco devido ao aumento do desmatamento no país. Por este motivo, Guedes falou por quase dez minutos sobre a Amazônia, a preservação do meio ambiente e as populações indígenas.

Sabemos que preservamos melhor nossas florestas e que tratamos nossos povos indígenas melhor que outros países, onde houve guerras de extermínio. Se há excesso e se há erros, corrigiremos. Não aceitaremos o desmatamento ilegal, a exploração ilegal de recursos. O Brasil é um país continental. A Amazônia é maior do que a Europa. É difícil vigiar tudo. O país ainda tem carências em educação, saneamento. Como é que nós conseguimos policiar todas as nossas fronteiras sem ajuda? Queremos ajuda e compreensão. Sabemos que preservamos melhor nossas florestas e que tratamos nossos povos indígenas melhor que outros países, onde houve guerras de extermínio”, disse o ministro da Economia.

Após monitoramento de dois recordes de desmatamento seguidos, servidora do INPE é exonerada

Nesta segunda-feira, uma servidora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) foi exonerada de seu cargo técnico no setor de monitoramento dos dados referentes à Amazônia.

O país teve recorde de alertas de desmatamento no mês de junho. O Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), usado pelo Inpe, apontou uma área de 1.034 km² sob risco. O valor é 10% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado e 24% maior do que em maio, que já havia sido um recorde para o período.

Discurso de Guedes é dissonante

Fala do ministro da Economia destoou do discurso geral da OCDE, que teve participação da República Dominicana, Costa Rica, Colômbia e Peru, que concentraram-se em temas como o aumento da regionalização da economia e a necessidade de mais recursos para que os governos possam manter e ampliar direitos sociais para os grupos mais vulneráveis.

O secretário geral da OCDE, Ángel Gurría, chegou a defender reformas tributárias que ampliem impostos sobre renda de pessoas físicas.

Já Guedes falou sobre o auxílio emergencial e o plano de ampliar a base de assistência social, com o Renda Brasil, mas defendeu a redução de impostos, defendeu o avanços do que chamou de reformas “estruturantes” e indicou a aposta brasileira na ampliação de sua atuação global.

*Com informações da RFI e Carta Capital

Junte-se a 37.054 outros assinantes

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL