Após decisão da ONU, Noblat sugere mea culpa da mídia por acreditar em “Moro e seus comparsas”

Ex-presidente disse nas redes que se sente “de alma lavada” e jornalista diz: “Que tal, nós da imprensa, começarmos a lavar a nossa?”

Após decisão da ONU, em que o ex-juiz que condenou LULA sem provas na Lava Jato foi rotulado internacionalmente como parcial, o jornalista Ricardo Noblat sugeriu, em seu perfil no Twitter, um “mea culpa” da mídia por acreditar em “Moro e seus comparsas“. O ex-presidente disse nas redes sociais que se sente “de alma lavada” e o jornalista disse: “Que tal, nós da imprensa, começarmos a lavar a nossa?“.

Noblat postou várias mensagens seguidas na plataforma. “Agora, o Comitê de Direitos Humanos da ONU afirma em nota oficial: “A investigação e o processo penal contra o ex-presidente Lula da Silva violaram seu direito a ser julgado por um tribunal imparcial, seu direito à privacidade e seus direitos políticos”, explicou o jornalista.

Antes fora o Supremo Tribunal a concluir pela parcialidade de Moro, anulando suas condenações“, prosseguiu. “Criticou-se o Supremo por causa disso. Depois que os demais processos contra Lula foram arquivados, então se disse que a maioria prescreveu e que a inocência dele não fora atestada“, disse antes de propor:

Não seria o caso de a grande imprensa brasileira, e de nós, jornalistas, fazermos um mea-culpa por acreditar em quase tudo o que o ex-juiz Sergio Moro e seus comparsas nos ofereceram como prova de que Lula era um criminoso e de que fora julgado da maneira mais isenta possível?

Ricardo Noblat
Jornalista

Depois, o jornalista reproduziu a fala de LULA, hoje, sobre decisão da ONU:

“A decisão da ONU ontem mostrou a pouca vergonha que foi feita para evitar que eu fosse presidente da República. Eu não tenho que provar mais nada, quem tem que provar é quem inventou mentiras contra mim”

LULA
Ex-presidente do Brasil
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.