Após atacar 5G da Huawei em 2020, Bolsonaro mudará o tom por insumos da China

21/01/2021 1 Por Redação Urbs Magna

Aliado de Trump na guerra pela tecnologia e com popularidade em queda, o presidente brasileiro pretende rever posicionamento sobre a participação da gigante asiática visando agilizar a importação de matéria-prima para vacinas contra a Covid-19 e evitar queda semelhante ao do líder americano

Bolsonaro, presenteia Xi Jinping com uma camisa do Flamengo. Foto: Isac Nóbrega/PR

Relação conflituosa de Bolsonaro com os chineses gera atraso na entrega dos insumos afetando o cronograma de produção das vacinas de Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), em acordo com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca.

Ataques da ala ideológica do governo em alinhamento com o ex-presidente dos EUA Donald Trump geraram dificuldades nas relações com o maior parceiro comercial do Brasil. Agora, assessores do Planalto dizem que o governo vai baixar o tom dos ataques, afirma matéria na Folha desta quinta (21).

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.