Bolsonaro precisa de 500 mil assinaturas para passar com o ‘Aliança Pelo Brasil’ no TSE, que pode aprová-las em modo digital e altamente faudável para acelerar processo

03/12/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro precisa de 500 mil assinaturas para passar com o ‘Aliança Pelo Brasil’ no TSE, que pode aprová-las em modo digital e altamente faudável para acelerar processo

Comitê ligado à Casa Civil deve facilitar tecnologia que pode ajudar novo partido do presidente, mas especialistas temem que, com a medida, a segurança seja reduzida e se crie brechas para fraudes


A saga de Jair Bolsonaro para criar a Aliança pelo Brasil, sua nova sigla, deve ganhar um reforço técnico nesta terça (3).


WHATSAPP

TELEGRAM
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga as INSTRUÇÕES
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga NOSSO CANAL

Da Folha de São Paulo – Bolsonaro precisa reunir cerca de 500 mil assinaturas até março para criar a legenda a tempo de participar das eleições municipais.

Integrantes do comitê gestor da ICP (Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira), vinculado à Casa Civil, devem aprovar resolução que facilita a validação das assinaturas digitais por quem já utilizou a tecnologia.

A expectativa é que aumente o número de usuários da ferramenta, considerada por aliados do presidente uma via rápida para a fundação do novo partido.





LEIA TAMBÉM:
A Petrobras pede desculpas a ‘inocentes perseguidos’ pela Lava Jato – a Lula também?
Lula ainda pode voltar a ficar elegível e a briga entre instâncias inferiores e o STF deve ajudar – Entenda
Gebran do TRF-4, que aumentou pena de Lula, tem suspeição óbvia por diálogos impróprios com procuradores do MPF revelados no Intercept


O presidente reconhece o prazo exíguo, mas já disse que, se conseguir o sinal verde do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para usar as assinaturas digitais, pode colocar rapidamente seu projeto de pé. A corte ainda avalia se dará autorização para o uso da tecnologia. O julgamento sobre o caso está suspenso.

O comitê da ICP deve liberar que as assinaturas sejam ativadas sem a presença física do usuário. Especialistas temem que, com a medida, a segurança seja reduzida e se crie brechas para fraudes.

“Há um rigor muito grande no momento em que é atribuído um certificado digital a uma pessoa, por isso a necessidade de o sujeito ir até uma autoridade de registro”, diz Ricardo Custódio, da UFSC e ex-membro da ICP.


Anúncios