Eduardo Bolsonaro não entende frase de Martin Luther King ‘I HAVE A DREAM’ e paga mico nas redes

21/11/2019 3 Por Redação Urbs Magna
Eduardo Bolsonaro não entende frase de Martin Luther King ‘I HAVE A DREAM’ e paga mico nas redes

Zero Três ignora viés antiracista e contra a segregação racial nos EUA do histórico discurso “I Have a Dream” de Martin Luther King. Segundo o filho do ‘mito dos mentecaptos’ “a esquerda faz questão de esconder que era conservador”


No Dia da Consciência Negra, nesta quarta-feira (20), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) mostrou nas redes sociais que não entendeu a frase proferida por Martin Luther King.


WHATSAPP

TELEGRAM
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga as INSTRUÇÕES
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga NOSSO CANAL

Um dos maiores ativistas pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos, durante o histórico discurso “I Have a Dream” em ato por Trabalho e Liberdade, King reuniu cerca de 250 mil pessoas em Washington em 28 de agosto de 1963.

“Sempre devemos lembrar a mensagem do pastor Martin Luther King, ícone da luta pela igualdade racial (que a esquerda faz questão de esconder que era conservador). Todos somos iguais e devemos ser julgados pelo caráter,não por raça, sexo, religião ou qualquer outra característica”, tuitou o filho 03 de Bolsonaro, com uma imagem de Luther King e a frase: “Eu tenho um sonho, ver meus filhos crescendo em uma nação que não julgue ninguém pela cor da pele, mas sim pelo seu caráter”.





LEIA TAMBÉM:
A Petrobras pede desculpas a ‘inocentes perseguidos’ pela Lava Jato – a Lula também?
Lula ainda pode voltar a ficar elegível e a briga entre instâncias inferiores e o STF deve ajudar – Entenda
Gebran do TRF-4, que aumentou pena de Lula, tem suspeição óbvia por diálogos impróprios com procuradores do MPF revelados no Intercept


A frase foi dita justamente em uma crítica direta às políticas racistas e ao sistema de segregação predominante no sul dos Estados Unidos à época.

Politicamente King apoiava os ideais do socialismo democrático e era um dos seguidores da ideologia de não-violência do líder indiano Mahatma Gandhi.

Ele foi investigado por possíveis ligações comunistas pelo FBI, que chegou a enviar uma carta sugerindo que King cometesse suicídio.

Odiado por segregacionistas, Luther King foi assassinado em 4 de abril de 1968 pelo militar branco James Earl Ray, que acreditava que Martin era um traidor, e que movia as pessoas em suas marchas para parar e enfraquecer o país políticamente e economicamente.

Anúncios