Defesa de Lula pede alvará de soltura imediata, após o STF derrubar a prisão em segunda instância

08/11/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Defesa de Lula pede alvará de soltura imediata, após o STF derrubar a prisão em segunda instância

A defesa de Lula já pediu à juíza Carolina Lebbos, de Curitiba (PR), o alvará de soltura dele. Em coletiva de imprensa, o advogado Cristiano Zanin Martins disse que não “respaldo jurídico para manter Lula preso por mais uma hora sequer”


A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já pediu à juíza Carolina Lebbos, de Curitiba (PR), o alvará de soltura dele. Após o Supremo Tribunal Federal derrubar, nesta quinta-feira (7), a prisão em segunda instância, advogados pedem imediata soltura.


WHATSAPP

TELEGRAM
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga as INSTRUÇÕES
Receba nossas NOTÍCIAS.
Acesse e siga NOSSO CANAL

Em coletiva de imprensa, o advogado Cristiano Zanin Martins disse que não há “respaldo jurídico para manter Lula preso por mais uma hora sequer”.

“Não existe nada que possa mantê-lo preso. Ele está aguardando o desdobramento do nosso pedido.”, disse Zanin.


(clique na imagem abaixo)



CONTINUA APÓS A SEÇÃO ABAIXO:

Leia também
Carlos Bolsonaro postou foto segurando arma e vaso de flores minutos após o assassinato de Marielle Franco e, em seguida deletou a imagem das redes. A foto está bombando hoje

➤ O POVO TÁ MAIS FODIDO DO QUE EU – pensando assim na prisão, Lula sobreviveu ao ódio por Moro e Dallagnol, além de renovar a esperança

Morte de Gugu liberato, divulgada nas redes nesta quinta (21), pode ser verdade. Estado do apresentador era crítico.


CONTINUAÇÃO

“[Lula] Está confiante que os próximos passos sejam dados com a declaração da nulidade do processo a partir do reconhecimento da suspeição”, disse Cristiano após deixar a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR). 

No pedido de soltura, um trecho do documento afirma: “Considerando-se que o Peticionário claramente encontra-se enquadrado na moldura fática delineada no decisum, ou seja, (i) em execução açodada da pena privativa de liberdade, em razão de condenação não transitada em julgado e (ii) seu encarceramento não está fundamentado em nenhuma das hipóteses previstas no art. 312 do Código de Processo Penal, torna-se imperioso dar-se imediatocumprimento à decisão emanada da Suprema Corte“.

via Brasil 247

Anúncios