Vídeo: Witzel é vaiado, xingado e expulso da Bienal do Livro por público, após polêmica do beijo gay

08/09/2019 1 Por Redação Urbs Magna
Vídeo: Witzel é vaiado, xingado e expulso da Bienal do Livro por público, após polêmica do beijo gay

Equipes da prefeitura foram ao evento pelo 2º dia seguido após decisão que voltou a permitir apreensão de material infanto-juvenil com temática LBGT. Livro com desenho de beijo gay foi alvo de ação do prefeito Marcelo Crivella


ASSISTA À EXPULSÃO DO GOVERNADOR


Continua após o anúncio


Relembre o polêmico caso do beijo gay

  • Na noite de quinta, Crivella diz que vai mandar recolher exemplares de “Vingadores, a cruzada das crianças”;
  • Bienal diz que não vai retirar livros e que dá “voz a todos os públicos”;
  • Na manhã de sexta, todos os exemplares se esgotam em pouco mais de meia hora;
  • À tarde, fiscais da prefeitura vão à Bienal para identificar e lacrar livros considerados “impróprios”;
  • Bienal recorre à Justiça para garantir “pleno funcionamento do evento”; à noite, desembargador concedeu liminar
  • OAB diz que prefeitura não tem poder para recolher livros;
  • Fiscalização não encontrou conteúdo em ‘desacordo com a legislação’;

LEIA TAMBÉM:
Vídeo: Witzel é vaiado, xingado e expulso da Bienal do Livro por público, após polêmica do beijo gay
Glenn diz que Moro é apaixonado por Bolsonaro; numa espécie de “Síndrome de Estocolmo”

  • No sábado, nova decisão do TJ-RJ manda recolher livros com temática LGBT para o público jovem e infantil que não estejam lacrados;
  • Público da Bienal faz ‘beijaço’ contra ordem de Crivella para apreender livros
  • Fiscais vão ao evento pelo 2º dia e novamente não encontram nada de irregular.
Público lotou a Bienal do Livro, no Rio Centro neste sábado — Foto: Reprodução/TV Globo
Público lotou a Bienal do Livro, no Rio Centro neste sábado — Foto: Reprodução/TV Globo

Os funcionários da Prefeitura já haviam comparecido ao evento na sexta-feira para, segundo o órgão, identificar e lacrar livros considerados “impróprios”. Uma liminar obtida pela organização também na sexta, entretanto, proibiu as apreensões. A liminar foi derrubada pelo presidente do TJ, desembargador Cláudio de Mello Tavares.

O desembargador afirma que a decisão não traz “impedimento ou embaraço à liberdade de expressão, porquanto, em se tratando de obra de super-heróis, atrativa ao público infanto-juvenil, que aborda o tema da homossexualidade, é mister que os pais sejam devidamente alertados, com a finalidade de acessarem previamente informações a respeito do teor das publicações disponíveis no livre comércio, antes de decidirem se aquele texto se adequa ou não à sua visão de como educar seus filhos”.

A Bienal do Livro Rio informou que vai recorrer da decisão do presidente do Tribunal de Justiça do Rio no Supremo Tribunal Federal (STF), “a fim de garantir o pleno funcionamento do evento e o direito dos expositores de comercializar obras literárias sobre as mais diversas temáticas – como prevê a legislação brasileira.”

A decisão do TJ- RJ atendeu a recurso da Prefeitura, e suspendeu uma liminar obtida pela organização da Bienal 2019, que impedia as autoridades municipais de buscar e apreender obras em função de seu conteúdo, “notadamente” aquelas que tratam de conteúdo LGBT.

Na quinta-feira, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, pediu para recolher exemplares do romance gráfico “Vingadores, a cruzada das crianças” (Salvat), que tem a imagem de um beijo entre dois personagens masculinos. Os livros eram vendidos lacrados, e a capa não tem nenhuma imagem de conteúdo erótico.

Livro dos Vingadores mostra beijo entre homens — Foto: Reprodução/Redes Sociais
Livro dos Vingadores mostra beijo entre homens — Foto: Reprodução/Redes Sociais

via Twitter / G1


SIGA Et Urbs Magna

Anúncios