Bolsonaro: “vou à ONU até de cadeira de rodas falar sobre a Amazônia loteada e vendida”, afirmou

02/09/2019 1 Por Dino Barsa
Bolsonaro: “vou à ONU até de cadeira de rodas falar sobre a Amazônia loteada e vendida”, afirmou

O presidente estará se recuperando de nova cirurgia no abdômen no fim de setembro, quando ocorrerá a abertura da 73ª reunião da Assembleia Geral da ONU. Ele será o primeiro a discursar no evento, o que já causa muita preocupação entre diplomatas devido a sua inconsequência e fama de criar atritos


Hoje (02/09) Bolsonaro jurou que não faltará à abertura do evento na ONU, tradicionalmente feita pelo Brasil, que terá como um dos temas a serem discutidos em 2019 a preservação da Amazônia.


CONTINUA APÓS AS IMAGENS


Vou comparecer nem que seja de cadeira de rodas, de maca, porque quero falar sobre a Amazônia. Com bastante conhecimento e com patriotismo, quero falar sobre essa área ignorada por tantos governos que me antecederam. Ela foi praticamente vendida para a mundo”, afirmou. “Eu não vou aceitar esmola de país nenhum a pretexto de preservar a Amazônia que, na verdade, está sendo loteada e vendida”.

O encontro será em 22 de setembro e o presidente estarpa se recuperando de uma cirurgia que fará nesta semana. “Toda cirurgia é um risco, mas essa, em relação às últimas três, vai ser a menos invasiva. A que oferece menor risco. Eu, que já estive do outro lado da morte, vou passar por um momento igual novamente”, comentou.

Bolsonaro vê no discurso da ONU sua chance transmitir ao mundo sua visão sobre a Amazônia: “Não vou deixar passar essa oportunidade. Se eu fosse, desculpe o linguajar, vaselina, se tivesse voltado para cá e demarcado 30 reservas indígenas, mais área de proteção ambiental e parques nacionais, a Amazônia seria o Polo Sul ou o Polo Norte. Não estaria pegando fogo em lugar nenhum. O que eles querem, cada vez mais, ao demarcar mais terras, é inviabilizá-las para nós”, disse Bolsonaro sobre o tema a ser discutido na ONU.


SIGA Et Urbs Magna

FacebookTwitterInstagram
Anúncios