Bolsonaro adota caneta ‘Compactor’ para atos do governo: ‘Bic é francesa’, disse ainda magoado com Macron

30/08/2019 1 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro adota caneta ‘Compactor’ para atos do governo: ‘Bic é francesa’, disse ainda magoado com Macron

Objeto de marca popular era citado pelo presidente como símbolo de austeridade da gestão, mas deu lugar a companhia 100% brasileira após atrito com Macron


via O Globo


Ao anunciar que dará indulto a “nomes surpreendentes” até o fim do ano, incluindo policiais ditos “presos injustamente“, o presidente Jair Bolsonaro destacou que assinará o benefício com uma caneta da marca Compactor, não mais da Bic . O chefe do Planalto decidiu “abandonar” o objeto da companhia francesa em meio à crise diplomática com Paris , após as críticas do presidente francês, Emmanuel Macron, pela atuação de Brasília nos incêndios da Amazônia.


CONTINUA APÓS AS IMAGENS


A caneta Compactor, não é mais BIC, vai funcionar“, disse o presidente, nesta sexta-feira.

Nesta quinta-feira, ao falar pela primeira vez sobre o indulto a policiais , em transmissão no Facebook, Bolsonaro explicou, em tom de humor e ironia, por que deixaria a Bic

Até o final do ano, vai ter policial saindo nesse indulto. Tem casos aí que todo mundo sabe. Tem que ter coragem e usar a caneta… Compactor, não é mais Bic, não. É Compactor agora porque a Bic é francesa. É Compactor, ressaltou o presidente, que havia feito comentário semelhante no evento de lançamento do programa de segurança pública “Em Frente Brasil“, horas antes.

No sábado, um seguidor publicou em postagem do presidente no Facebook que a Bic era francesa e a concorrente, brasileira. “Mudando para Compactor“, respondeu ele.

Resultado de imagem para bolsonaro caneta
Bolsonaro assina documento com uma Caneta Bic

Bolsonaro costumava citar o uso da caneta Bic como símbolo de austeridade e simplicidade do novo governo, em contraste, segundo ele, com os gastos de presidentes anteriores. A relação do político com o objeto da marca francesa se tornou uma de suas marcas antes mesmo da posse na Presidência. Em dezembro, por exemplo, o então presidente eleito afirmou que acionaria sua “caneta Bic” em caso de comprovação ou “denúncia robusta” de irregularidades de subordinados seus no Planalto

Na cerimônia de posse, a adoção de uma caneta popular pelo novo presidente viralizou nas redes sociais. Acreditava-se, na ocasião, que Bolsonaro havia usado um objeto da Bic. Dias depois, porém, a empresa Compactor reivindicou no Twitter a produção da caneta escolhida para o evento e citou “a honra” de o presidente ter assinado o documento com um objeto 100% nacional.

Ainda assim, o presidente continou a mencionar a marca francesa em anúncios de projetos e tomadas de decisão. Em maio, durante atrito com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, Bolsonaro se disse orgulhoso do “poder da caneta Bic” para revogar decretos e desregulamentar a economia brasileira.

O Brasil está cheio de decretos. Uma caneta Bic resolve esse problemas” afirmou durante evento de lançamento da Frente Parlamentar Mista da Marinha Mercante Brasileira.

A relação pouco amistosa entre Bolsonaro e Macron atingiu níveis sem precedentes em agosto deste ano. Em julho, o presidente brasileiro já havia cancelado uma reunião com o chanceler francês em Brasília e feito, no horário marcado, um vídeo no cabeleireiro. O contato azedou de vez depois de Macron cobrar Brasília sobre os incêndios na Amazônia e levar o assunto em caráter emergencial ao G7.

Bolsonaro, depois, recusou a ajuda do grupo, sob alegação de ameaça francesa à soberania nacional na Amazônia, e ainda endossou um comentário sexista sobre a mulher do chefe do Palácio do Eliseu, Brigitte Macron. O político francês respondeu que esperava que os brasileiros tivessem em breve “um presidente à altura“.

Embora seja 100% brasileira, a Compactor tem raiz na família alemã Buschle, que fundou uma produção de canetas nos anos 1930 em sua terra natal e caiu no gosto de empresários brasileiros, que passaram a encomendar canetas para o mercado brasileiro. Para atenuar barreiras aduaneiras à exportação, o clã firmou sociedade com a família Bluhm e passou a produzir objetos no Brasil nos anos 1950.

A Compactor ainda se define, em seu site, como “o braço” no Brasil da marca Schneider — esta, descrita no mesmo portal como “global“, mas com produção desenvolvida e fabricada na Alemanha. Uma parceria feita no início dos anos 1990 para distribuir produtos da marca alemã para a América Latina e produzir alguns deles em solo brasileiro.

Na pauta ambiental, Bolsonaro também teve atrito com a chanceler alemã , Angela Merkel. Depois de Berlim suspender investimentos em projetos de proteção à Amazônia, em função de altas taxas de desmatamento, o presidente brasileiro disse a Merkel para “pegar o dinheiro e reflorestar” seu próprio país.


SIGA Et Urbs Magna

FacebookTwitterInstagram
Anúncios