Sobre a pequenez de Bolsonaro, Macron está coberto de razão

27/08/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Sobre a pequenez de Bolsonaro, Macron está coberto de razão

Se alguma coisa o cargo fez ao brasileiro, foi expor sua miudeza de espírito e propósitos

Conforme já constataram inúmeros analistas, foram pelos ares há algum tempo as esperanças de que o cargo de presidente da sexta nação mais populosa do mundo emprestasse razoabilidade ao deputado que, nos 28 anos anteriores, agira como um doidivanas inimputável.

A lambança promovida na área ambiental, que só agora ganha o caráter de crise devido à reação internacional, é apenas mais um exemplo de que se alguma coisa o cargo fez a Bolsonaro foi explicitar a sua miudeza de espírito e de propósitos.

No particular embate com Emmanuel Macron, uma das mais recentes cartadas do estadista do golden shower foi pegar carona em um gracejo do tiozismo barrigudo de internet, para quem o valor da mulher se mede por beleza, idade e submissão.

O francês pode ter interesses ocultos e, sim, escorregou ao replicar uma foto de queimada antiga como se fosse atual e ao falar no oxigênio produzido pela floresta, mas isso soa como música clássica se comparado ao caminhão de besteiras ditas por Bolsonaro sobre o meio ambiente.

Uma coisa é errar a foto. Outra bem diferente é sucatear o órgão de fiscalização ambiental, tagarelar sobre “farra das multas”, desacreditar sem qualquer amparo trabalhos científicos sobre o desmatamento e tratar o assunto como chatice que só interessa a veganos. Bolsonaro jamais moveria um fio de seu cabelo boi-lambeu —nem seu dito ministro do Meio Ambiente— caso não houvesse reação internacional.

Em cadeia de rádio e TV, o presidente prestou-se à comédia na sexta ao falar em tolerância zero do governo com o desmatamento. No primeiro dia útil após essa anúncio, gastou a maior parte do tempo de sua fala a repórteres na saída do Palácio da Alvorada, nesta segunda (26), filosofando sobre a remuneração recebida por um colunista do jornal O Globo por palestras à Fecomércio.

Esse é o centro das grandes preocupações do presidente que, o mundo já percebe, dá sinais diários e inequívocos de que não está nem se pretende à altura do cargo que ocupa.

Via Folha de São Paulo

Anúncios