Gleen reage a ameaça de prisão e diz que Brasil pode ficar com imagem de Arábia Saudita

24/07/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Gleen reage a ameaça de prisão e diz que Brasil pode ficar com imagem de Arábia Saudita

“O Brasil é um país que precisa desesperadamente mudar sua imagem internacionalmente e atrair turistas. Seus líderes decidiram: “vamos ser mais parecidos com a Arábia Saudita e o Egito e ameaçar jornalistas que denunciam nossa corrupção”. Parece uma estratégia estranha”, diz o editor do Intercept


Ameaçado de ser preso pela líder do governo Bolsonaro, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), após a prisão de quatro supostos hackers que teriam invadido os celulares de Sergio Moro e Deltan Dallagnol,  o jornalista Glenn Greenwald reagiu. “O Brasil é um país que precisa desesperadamente mudar sua imagem internacionalmente e atrair turistas. Seus líderes decidiram: “vamos ser mais parecidos com a Arábia Saudita e o Egito e ameaçar jornalistas que denunciam nossa corrupção”. Parece uma estratégia estranha”, afirmou o jornalista. No entanto, nada indica que o governo Jair Bolsonaro tenha qualquer receio de fazer com que o Brasil se pareça com a Arábia Saudita. 

Confira, abaixo, seu tweet e reportagem da Reuters:

O Brasil é um país que precisa desesperadamente mudar sua imagem internacionalmente e atrair turistas. Seus líderes decidiram: “vamos ser mais parecidos com a Arábia Saudita e o Egito e ameaçar jornalistas que denunciam nossa corrupção”. Parece uma estratégia estranha. https://t.co/wL641yl2c1— Glenn Greenwald (@ggreenwald) 24 de julho de 2019

BRASÍLIA (Reuters) – A Polícia Federal cumpriu quatro mandatos de prisão temporária e sete de busca e apreensão nesta terça-feira em uma operação contra suspeitos da invasão de celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em nota divulgada, a PF não dá detalhes e afirma que a operação Spoofing visa “organização criminosa que praticava crimes cibernéticos”.

A assessoria de imprensa da Polícia Federal confirmou a jornalistas que os alvos da operação são acusados de hackearem o celular do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Segundo a Justiça Federal do Distrito Federal, os mandatos foram assinados pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara, e o sigilo envolvendo as ordens será retirado às 12h de quarta-feira.

As pessoas detidas foram transferidas para Brasília para prestarem depoimentos, segundo assessora da JFDF.

SIGA Et Urbs Magna

FacebookTwitterInstagram

via Brasil 247

Anúncios