Os crimes da ‘Moro&Globo’ contra LULA criaram a ‘mentalidade bolsomínion’

21/06/2019 0 Por Dino Barsa
Os crimes da ‘Moro&Globo’ contra LULA criaram a ‘mentalidade bolsomínion’

A estratégia do establishment para ‘deletar’ a imagem do Partido dos Trabalhadores (PT) da mente da população brasileira, após os 13 melhores anos da economia do Brasil graças ao Governo Lula

por Dino Barsa

Coordenadas pela operação Lava Jato de Curitiba, as ações que visavam plantar a semente do ódio na mente dos brasileiros tinham que ser eficientes, pois Dilma Rousseff mal acabara de ser deposta pelo Golpe 2016 e não havia muito tempo até as eleições de 2018

Ententa por que você tem um amigo BOLSOMÍNION

O ex-juiz Federal, Sergio Fernando Moro, vazou todas as delações da Operação Lava Jato da pasta que levava o nome Lula. A emissora de TV Rede Globo, através do telejornal Jornal Nacional com o âncora William Bonner, fez o resto.

Foram matérias e mais matérias lançadas em ‘Horário Nobre’ – termo utilizado por meios comunicativos para se referir ao periodo de tempo em que o trabalhador brasileiro finalmente ‘se senta no sofá’ para se reestabelecer de mais outro dia árduo, da jornada de exploração de seu trabalho a que está submetido pela elite do capital.

A estratégia funcionava assim: o cadenciamento acelerado de informações tinha por finalidade apagar o salvador da pátria Lula Paz e Amor e criar o monstro Luladrão. As mentes fracas, incapazes para o discernimento e desprovidas de cognição adequada, sem opinião, deram origem aos que chamamos hoje de bolsomínions.

Depois que constatavam, após a massificação nacional do material vazado por Sergio Moro aos Marinho, que o petista não tinha nenhum envolvimento com as notícias divulgadas criminosamente pela gangster Rede Globo, a emissora mudava de assunto deixando em aberto tudo o que foi dito.

Mas as sequelas nas mentes operárias foram estabelecidas pela mídia vitoriosamente na forma de sementes que germinariam em um futuro próximo: no inconsciente coletivo, Lula foi maculado por acusações indevidas e ficou sendo marcado como ‘O Criminoso’.

Muito daquele material lançado nos lares brasileiros, por meio do dramatismo da voz compenetrada de Bonner, foi interrompido no dia seguinte por carência comprobatória e não havia outro capítulo para a continuação. No segundo dia, quando se esperava para saber mais sobre o tema anterior, o assunto já era um outro absurdo que a Força Tarefa, comandada por Deltan Dallagnol, ‘criava’ tecnicamente obedecendo o ‘comando maior’. E isso funcionou cumulativamente, pois mentiras foram abandonadas de sua abordagem sem que jamais tivessem a decência de serem desmentidas.

Assim, nasceram os bolsomínios, após, é claro, o nascimento de seu líder populista Bolsonaro.

O ex-capitão do Exército, mesmo com toda a sua estapafúrdia infratora de direitos humanos que violava publicamente toda a ética e moral conquistada com ardor após séculos, era o modelo bruto a ser lapidado pelo establishment brasileiro, ainda que com seu populismo exarcebado – o que se notou depois, em suas atitudes como presidente, advém do que é inquebrantável em sua personalidade.

E pela memória sem memória, que é a característica de um povão carente de heróis populistas, além de facilmente magoável, nasceu o Luladrão.

Inocente, Lula pena sua pena injusta. Para que os interesses da elite sejam mantidos. Para que continuemos sendo cada vez mais manipuláveis. Para que a ultradireita retorne com seu discurso encantador de serpentes – aquele que se utiliza disfarçadamente de um aroma dentro da flauta como um truque para atrair a presa.

Os crimes Moro & Globo

  • Foram procurar contas secretas de Lula na Suíça e encontraram contas do Eduardo Cunha, de diversos empresários, da Globo… Do Lula, não.
  • Foram aos paraísos fiscais, nas Antilhas e na Europa, e acharam empresas off-shore da Globo, FHC, Serra, Aécio… Do Lula, não.
  • Foram ao setor elétrico e só encontraram todos os tucanos, aliados, e Bolsonaro, na lista de Furnas. Lula, não.
  • Foram à Operação Zelotes e encontraram a Gerdau, Itaú, Volkswagen, Bradesco, Globo… Lula, não.
  • Foram ao Triplex, não só encontraram a dona do imóvel, como descobriram que o resto do prédio é da Mossak, lavanderia internacional que presta serviços aos honestos empresários da Fiesp, Mossak em cujo nome está um outro triplex, avaliado em mais de vinte milhões, construído em área de preservação ambiental, próximo a um balneário, triplex de propriedade dos irmãos Marinho, donos da Globo. Do Lula, só descobriram que torce para o Corinthians.
  • Vão atrás de um sítio e em nenhum cartório, gaveta, cofre ou caixa de laranjas há documentos afirmando que é do Lula, mas de outro dono. De Lula lá só dois pedalinhos e uma canoa de lata.
    ou seja todos que eles encontraram como eram do time deles estão livres leves e soltos e o Lula preso por conta de uma reforma no Triplex que graças à invasão do MTST sabemos que o triplex é um puxadinho de três andares, sem reforma alguma, uma espelunca.”
Anúncios