Moro no paredão da CCJ: as 10 perguntas que serão feitas na audiência sobre a Vaza Jato

18 18-03:00 junho 18-03:00 2019 3 Por Redação Urbs Magna
Moro no paredão da CCJ: as 10 perguntas que serão feitas na audiência sobre a Vaza Jato

Dez perguntas a Sergio Moro para audiência sobre diálogos vazados com a Lava Jato – Ministro irá ao Senado nesta quarta (19) prestar esclarecimentos sobre conversas com Deltan

O ministro da Justiça, Sergio Moro, irá à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado nesta quarta (19) para dar explicações sobre o vazamento de conversas suas com o procurador Deltan Dallagnol, chefa da força-tarefa da Lava Jato.

Reportagens do site The Intercept Brasil revelaram mensagens em que os dois trocavam informações sobre ações da Lava Jato e sugerem que Moro pode ter interferido na atuação da Procuradoria. Na época dos diálogos, Moro era juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelos processos ligados à operação.

A iniciativa de ir à CCJ veio do próprio ministro, em uma tentativa de acalmar os ânimos e evitar a abertura de uma CPI (comissão parlamentar de inquérito).

Veja dez perguntas sobre o caso que Moro ainda não respondeu.

1) Inicialmente o senhor não negou a autoria das mensagens divulgadas, mas, em seguida, adotou o discurso de que não poderia dizer que aqueles diálogos de fato aconteceram. Por que mudou de versão? 

2) O senhor tem as mensagens arquivadas para que possam ser comparadas às agora divulgadas pelo site The Intercept Brasil?

3) O senhor vai determinar que a Polícia Federal investigue o teor das mensagens para saber se de fato são autênticas? E considerando que a PF é ligada ao Ministério da Justiça, pasta controlada pelo senhor, não há risco de conflito de interesses e questionamentos sobre a parcialidade da investigação?

4) O senhor disse ter sido um descuido não ter formalizado à Procuradoria a sugestão sobre uma testemunha no caso Lula. O senhor também teve esse descuido e encaminhou dicas para a defesa do ex-presidente Lula?

5) O senhor antecipou decisões também para a defesa do ex-presidente ou apenas para o Ministério Público? Pode citar algum caso?

6) As mensagens indicam uma colaboração entre o senhor e o Ministério Público. Durante todo o processo do tríplex de Guarujá, o senhor considera ter mantido uma distância equivalente entre as partes, como determina o Código de Ética da Magistratura?

7) Por que o senhor disse confiar no ministro Luiz Fux?

8) Nas mensagens, o senhor demonstra não confiar em outros ministros do Supremo. Qual era a desconfiança?

9) Ao tratar da divulgação das interceptações entre Lula e Dilma, o senhor afirmou em entrevista que o mais importante era o conteúdo. Por que mudou de ideia, já que agora diz que o mais significativo é a forma com que as conversas foram capturadas?

10) O projeto inicial de dez medidas anticorrupção previa a possibilidade de uso de provas ilegais desde que obtidas de boa-fé. O senhor mantém essa opinião?

via Folha de São Paulo

Anúncios