Eleição de Bolsonaro por prática ilegal de disparos de WhatsApp volta à tona

18/06/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Eleição de Bolsonaro por prática ilegal de disparos de WhatsApp volta à tona

Repórter detalha nova reportagem sobre disparos em massa pró-Bolsonaro – Espanhol diz que empresas brasileiras contrataram disparos de WhatsApp na eleição

Nas eleições brasileiras de 2018, reportagens da Folha revelaram que empresários pagaram por disparos de mensagens em massa. O sistema para os envios usa bases de usuários que cederam seus números de forma voluntária ou bases de terceiros, vendidas por agências de estratégia digital.

A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada. 

À época, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) abriu um processo para apurar o impulsionamento dessas mensagens pelo WhatAapp. Com a investigação eles poderiam responder, por exemplo, se a campanha de Bolsonaro tinha vínculo com os contratos financiados por essas empresas.

Nesta terça-feira (18), o assunto voltou às manchetes com reportagem que relata que empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer disparos em massa de mensagens a favor do então candidato Jair Bolsonaro (PSL). A repórter Patrícia Campos Mello explica o caso no Café da Manhã. 

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

Os episódios do Café da Manhã são publicados de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia, a partir das 6h.

 O podcast é conduzido pelos jornalistas Rodrigo Vizeu e Magê Flores.

via Folha de São Paulo

Anúncios