Feliz dia dos conjes, Moro! – A relação do ex-juiz com o procurador Deltan é mais que especial

12/06/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Feliz dia dos conjes, Moro! – A relação do ex-juiz com o procurador Deltan é mais que especial

Ah, o amor. Esse aí faz qualquer um perder a cabeça. A de Valentim se foi no século 3

Tudo porque o imperador da época proibira casamentos. Não queria seus soldados de nheco-nheco com as damas romanas, ou eles trocariam guerras por mais amor, por favor. Pois reza a lenda que o tal do bispo Valentim fez que não era com ele e continuou casando o pessoal.

Descoberto e condenado à morte, o detento recebia bilhetes de #gratidão, entre eles os de Artérias, a filha do carcereiro, cega. Remetente e destinatário se enamoraram, e do nada a moça passou a enxergar. A sorte dele foi outra: decapitado num 14 de fevereiro.

Deltan Dallagnol e Sergio Moro durante participação em fórum em São Paulo, em outubro de 2017
Deltan Dallagnol e Sergio Moro durante participação em fórum em São Paulo, em outubro de 2017 – Jorge Araújo – 24.out.17/Folhapress

Ele virou mártir católico, e a data até hoje é celebrada como Dia de São Valentim, ou Dia dos Namorados. Só não no Brasil, onde desde 1949 os pombinhos trocam caixas de bombom neste 12 de junho, por sugestão do publicitário João Doria, pai deste mesmo que você está pensando. A ideia era agitar o comércio do meio do ano, uma pasmaceira só.

A data talvez mexa com o coração presidencial de Jair Bolsonaro, um romântico confesso. O presidente tem o costume de apelar a metáforasamorosas para falar de seus relacionamentos políticos, como ao comparar Rodrigo Maia, desgostoso com sua falta de envolvimento na reforma da Previdência, a uma namorada que quer ir embora, ou ao dizer que uma moeda única Brasil-Argentina é “como um casamento”.

Uma relação posta a prova agora é a de seu ministro Sergio Moro, que já chamou cônjuge de “conje”, com Deltan Dallagnol. O vazamento de conversas privadas revelou um juiz ávido por palpitar na denúncia que lhe caberia julgar com distanciamento e um procurador que fala “top” e diz ter “tesão demais” por uma reportagem que poderia ajudar a incriminar o petista Lula, seu investigado mais top.

Entre quatro paredes virtuais, achavam os conjes de Lava Jato, vale tudo. Perderam a cabeça

por Anna Virginia Balloussier via Folha de São Paulo

Anúncios