Bolsonaro culpa o Congresso, o STF, a imprensa e a esquerda por não conseguir fazer nada de útil em 5 meses

20/05/2019 2 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro culpa o Congresso, o STF, a imprensa e a esquerda por não conseguir fazer nada de útil em 5 meses

A verdade é o contrário: Bolsonaro quer fechar o Congresso e o STF, censurar a imprensa e perseguir a esquerda. Por isso, não faz nada e força crises.

A carta de Jânio

por Celso Rocha de Barros

Na última sexta-feira (17) o presidente da República compartilhou, em um grupo de WhatsApp de seus apoiadores, um texto de Paulo Portinho, analista de investimentos que foi candidato a vereador no Rio de Janeiro em 2016 pelo Partido Novo.

O texto afirma que o governo fracassou em tudo que tentou até agora e termina recomendando que os investidores desfaçam suas apostas no sucesso da economia brasileira (“Sell”, uma recomendação de venda de ações). Até aí, achei que era uma coluna minha.

Mas o texto atribui o fracasso de Bolsonaro à influência de forças ocultas, corporações que impedem qualquer presidente —inclusive os de esquerda— de governar.

Não é muito fácil entender que forças ocultas seriam essas. Elas estariam impedindo a implementação do programa de Paulo Guedes, mas também teriam obrigado Dilma Rousseff a nomear Joaquim Levy.

Para mim, não ficou muito claro porque um sistema que obriga Dilma a ser mais ortodoxa e Guedes a ser menos ortodoxo estaria funcionando mal.

Mas a mensagem do texto é clara: a única coisa que Bolsonaro teria feito de útil como presidente teria sido provar que não é possível governar o Brasil sem fazer conchavos.

Bolsonaro seria “só um óculos com grau certo, para vermos que o rei sempre esteve nu, e é horroroso”.

Essa é a versão que Bolsonaro está tentando vender: a de que não conseguiu fazer nada de útil em cinco meses porque não deixaram. Ele diz isso para que seus apoiadores culpem o Congresso, o STF, a imprensa, e, é claro, a esquerda.

A verdade é o contrário: Bolsonaro quer fechar o Congresso e o STF, censurar a imprensa e perseguir a esquerda. Por isso, não faz nada e força crises.

Não por acaso, enquanto os bolsonaristas divulgavam o texto de Portinho (que não parece ter nada a ver com a coisa toda, coitado), também convocavam uma manifestação de apoio a Bolsonaro.

Não precisa acreditar em mim: pesquise o que a turma que apoia a manifestação está dizendo nas redes sociais. A conversa é sobre fechar Congresso, expulsar ministros do Supremo e daí pra baixo. É um movimento em defesa de um golpe de estado.

Os movimentos de rua que apoiaram o impeachment, como o MBL e o Vem pra Rua, já declararam que não participarão do ato. Entenderam do que se trata.

Tudo indica que a divulgação do texto de Portinho e a convocação da manifestação golpista é um gesto de desespero do bolsonarismo radical, ocorrido ao final de uma semana em que Olavo de Carvalho admitiu derrota diante dos generais.

Também era preciso desviar atenção das enormes manifestações estudantis e, é claro, das denúncias contra a família Bolsonaro.

É bom lembrar: nenhum presidente recente venceu em situação mais favorável para governar do que Bolsonaro. Ideologicamente, os congressistas são muito mais alinhados a Bolsonaro do que eram aos governos petistas. Tendo sido eleito como cabeça de chapa, Bolsonaro tem muito mais força do que Temer. E, se Bolsonaro tivesse problema em conviver com acusados de corrupção, não teria montado esse ministério.

Alguns analistas viram na publicação do manifesto “Sell” uma espécie de carta de renúncia, como a de Jânio. É sempre bom lembrar: a renúncia de Jânio foi uma tentativa de golpe.

Celso Rocha de Barros

Servidor federal, é doutor em sociologia pela Universidade de Oxford (Inglaterra).

via Folha de São Paulo

Anúncios