Bilionário se muda para Roraima para acolher venezuelanos – nada com Bolsonaro ou establishment

20/05/2019 1 Por Redação Urbs Magna
Bilionário se muda para Roraima para acolher venezuelanos – nada com Bolsonaro ou establishment

Carlos Wizard Martins, presidente de grupo empresarial, integra rede de voluntários

Há meses, a rotina de Carlos Wizard Martins, 62, e da esposa Vânia Martins, 60, inclui idas diárias ao aeroporto de Boa Vista (RR), onde veem venezuelanos que cruzaram a fronteira partirem para buscar vida nova em outros estados.

“Às vezes, chega uma família [venezuelana] lá, o pai, a mãe, dois ou três filhos, e a atendente diz ‘pode colocar sua bagagem na balança’. A pessoa pega um saco plástico, coloca em cima da balança e indica 5 kg. Eu fico pensando: uma vida toda de uma família é restrita àquilo”, diz ele.

Desde agosto, o casal trocou a casa em Campinas (SP) por um apartamento na capital de Roraima para se dedicar ao acolhimento dos imigrantes. A missão veio por meio da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que o empresário começou a frequentar ainda criança, em Curitiba.

Wizard entrou para a lista de bilionários da revista americana Forbes em 2018, com uma fortuna avaliada em R$ 2,4 bilhões. Em 2013, ele vendeu o grupo Multi, que incluía as escolas de idiomas Wizard e Yázigi, para a britânica Pearson por cerca de R$ 2 bilhões.

Hoje, ele preside o grupo Sforza, que controla mais de 20 empresas, como Pizza Hut, KFC e Taco Bell, e uma rede de escolas infantis de futebol em parceria com o ex-jogador Ronaldo Nazário.

Ele divide o tempo entre as reuniões do Sforza, em São Paulo, e o trabalho com venezuelanos em Roraima e em Brasília, onde busca apoio político para as ações.

“Às vezes, a pessoa diz ‘mas no Brasil também temos pobres’. Você não pode comparar uma pessoa que está num estado de pobreza no Brasil com um refugiado. O refugiado não tem a quem recorrer.”

O trabalho em parceria com o governo federal começou com Michel Temer (MDB). No ano passado, Wizard conseguiu que as maiores companhias aéreas do Brasil —Azul, Gol e Latam— aceitassem dar cortesia nos voos para transportar os imigrantes para outras partes do país e ajudar com o processo de interiorização do governo federal.

Além dos recursos da igreja, Wizard investe dinheiro do próprio bolso nas ações. As necessidades de quem chega, diz ele, são “gigantescas”, especialmente em demandas como tratamento médico, alimento e transporte.

No Natal, para evitar que um grupo de venezuelanos passasse a data em abrigos, os recursos foram usados para fretar um avião para 118 pessoas. O voo saiu de Roraima, pousou em Campinas e de lá para cidades do Brasil onde haveria acolhimento para as famílias.

Desde que o lado venezuelano da fronteira foi reaberto, na semana passada, o empresário diz que viu um aumento no fluxo migratório. Se antes entravam cerca de 500 pessoas por dia, agora, são quase mil.

Wizard diz que a ideia da missão não é ser assistencialista ou tutelar os venezuelanos, mas dar condições para que tenham um reinício de vida. O acolhimento propõe que igrejas de diferentes religiões ajudem as famílias com emprego e a encontrar casas.

A equipe de voluntários criou uma linha direta no WhatsApp para quem quiser informações sobre como ajudar os venezuelanos: (19) 99955-9050.

carlos sorri com a mão no óculos
O empresário Carlos Wizard Martins, hoje voluntário no apoio a venezuelanos – Jorge Araújo – 7.jul.2013/Folhapress

via Folha de São Paulo

Anúncios