Só falta Toffoli dizer que Lula é preso político e que Dilma foi deposta por Golpe

19 19-03:00 abril 19-03:00 2019 2 Por Redação Urbs Magna
Só falta Toffoli dizer que Lula é preso político e que Dilma foi deposta por Golpe

Abalado pela crise na Corte, Dias Toffoli agora diz que vê “interesses internacionais” na desestabilização das instituições do Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli disse em entrevista ao Valor desta quinta (18) que pode haver “interesses internacionais” por trás da operação de desestabilização das instituições brasileiras.

Lula é conduzido de volta à prisão em Curitiba após participar do sepultamento do neto Arthur Lula

Nao sabemos onde ele quer chegar, mas supondo-se que ele seja um ingênuo e está descobrindo isso agora (o que obviamente não é o caso), se seguir por este caminho descobrirá que o impeachment de Dilma Rousseff foi um Golpe de Estado e que Lula é um preso político.

Vejamos o que Dias Toffoli disse:

A destruição das instituições e de reputações faz parte de uma campanha de ódio. Temos que saber se não há interesses internacionais por trás disso, de desestabilizar as instituições. Interesses nada republicanos“, comentou, sem aprofundar a questão.

Recentemente, o ministro fez uma declaração curiosa por conta da crise no Supremo dando entender que foi arrebatado por uma luz divina: “Às vezes, é necessário ser um cordeiro imolado para fazer o bem. Estou me expondo, do ponto de vista da minha imagem pessoal.”

Capa da Revista Crusoé

Toffoli ainda disse que, enquanto apenas ministro, preferiu não agir contra ataques e fake news contra si nos últimos anos. Mas agora que é presidente do Supremo, ele entende que os ataques atingem a Corte.

Por isso, decidiu reagir contra reportagem da Crusoé e Antagonista que faz menção a seu nome em delação da Odebrecht. “Ao atacar o presidente, estão atacando a instituição“, afirmou.

De acordo com o ministro, parte da “imprensa comprada” ajuda a fazer pressão contra o Supremo por causa do julgamento que pode rever a prisão em segunda instância, agendado para 10 de abril, mas que acabou adiado antes do vazamento da delação que cita Toffoli.

É ofensa à instituição à medida que isso tudo foi algo orquestrado para sair às vésperas do julgamento em segunda instância. De tal sorte que isso tem um nome: obstrução de administração da Justiça“, disse o ministro.

via Valor Econômico / Brasil 247 / Et Urbs Magna

Anúncios