Lenín Moreno entregou Julian Assange aos EUA por 4,2 bilhões de dólares

12/04/2019 2 Por Redação Urbs Magna
Lenín Moreno entregou Julian Assange aos EUA por 4,2 bilhões de dólares

CORREA DIZ QUE EQUADOR ENTREGOU ASSANGE POR ACORDO DE US$ 4,2 BILHÕES COM FMI


Rafael Correa

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, acusou o atual presidente equatoriano, Lenín Moreno, de suspender o asilo do ciberativista Julian Assange para conseguir um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Resultado de imagem para lenín moreno
Lenín Moreno

Correa afirmou à Sputnik que há evidências do acordo e que Moreno prometeu “entregar” Assange em uma reunião de 2017 com Paul Manafort, ex-chefe de campanha do presidente dos EUA, Donald Trump. O ex-presidente Correa, que rompeu com Moreno, também comentou sobre as visitas feitas ao Equador pelo vice-presidente dos Estados Unidos Mike Pence.


continua após a seção abaixo:


LEIA TAMBÉM outras notícias desta segunda-Feira, 14/10/2019
1) Bomba Glenn abre esta segunda (14) expondo jogada criminosa dos procuradores de Curitiba: denúncia contra Lula do sítio de Atibaia era apenas distração para salvar Temer e Joesley
2) “Pirracento, agressor, infantil e ciumento, Ciro Gomes vai implodindo o PDT como Bolsonaro implodiu o PSL”
3) Afinal, Trump humilhou Bolsonaro sobre OCDE? Sim, leia, em tempo, a carta em sua íntegra


Nessas ocasiões, Moreno teria prometido “ajudar a isolar a Venezuela, deixar a corporação petroleira Chevron, uma empresa que destruiu metade da floresta amazônica, impune e entregar Assange”.

No mês passado, o FMI anunciou a aprovação de um empréstimo para o Equador de US$ 4,2 bilhões. A primeira parcela, de US$ 652 milhões, já foi paga.


continua após a seção abaixo:



Correa suspeita que o presidente equatoriano tomou a decisão de retirar o asilo de Assange depois que o WikiLeaks publicou documentos sobre o alegado relacionamento de Moreno com uma empresa de fachada, a INA Papers.

O ex-presidente apontou que a empresa INA Papers foi registrada em 2012, quando Moreno ainda era seu vice-presidente, e quando no governo “nós lutamos a nível mundial contra os paraísos fiscais”.

via Sputnik / Brasil 247

SIGA Et Urbs Magna

FacebookTwitterInstagram
Anúncios